Você está em:
IMPRIMIR

Erros na política econômica de Dilma agravaram desemprego

1 de junho de 2016

Pestana: A contabilidade criativa e as pedaladas minaram a confiança do mercado

Pestana: A contabilidade criativa e as pedaladas minaram a confiança do mercado

O índice de desemprego no trimestre encerrado em abril deste ano atingiu 11,2%, segundo dados divulgados nessa terça-feira (31/5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a maior taxa registrada pela série histórica do indicador, a Pnad Contínua, que teve início em 2012. Para tucanos, a falta de trabalho para 11,4 milhões de brasileiros é a face mais perversa da crise na qual o governo petista afundou o país.

PT traiu os trabalhadores

Em sua página no Facebook, o líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA), lembrou que no trimestre anterior o percentual era de 9,5% e que, em um ano, 1,6 milhão de pessoas perderam seus trabalhos. “São as vítimas dos governos de Lula e Dilma, que arruinaram a economia. O PT traiu os trabalhadores”, declarou.

Economista, o deputado Marcus Pestana (PSDB-MG) apontou o legado maldito de Dilma na economia como origem da crise que afeta duramente o mercado de trabalho. “A contabilidade criativa e as pedaladas minaram a confiança do mercado, desencadeando um círculo vicioso. Isso levou ao aumento dos juros, da inflação e desemprego. E aí chegamos a quem paga o pato: os cidadãos e, principalmente, os trabalhadores de mais baixa renda”, disse Pestana.

Frente ao trimestre anterior, os dados mostram que a quantidade de trabalhadores na indústria, onde há mão de obra mais qualificada e salários mais altos, caiu 11,8%. O setor foi o que mais demitiu trabalhadores em 2015, e continua perdendo força. Para Pestana, a herança negativa deixada pelo PT precisa ser superada com novas reformas e ajustes.

“É muito grave essa herança maldita dos governos do PT, que não só deixaram para as novas gerações o maior escândalo da história brasileira como a maior recessão desde 1929. Nós temos que ter uma onda, um ciclo de reformas e ajustes. Com o impeachment, esperamos que, com a nova equipe econômica, a confiança seja retomada”, completou Pestana.

Fonte: PSDB na Câmara