Você está em:
IMPRIMIR

Antonio Ramalho: Governo do PT faz festa com o dinheiro do trabalhador

15 de maio de 2013

O presidente do PSDB Sindical, Antonio Ramalho

O presidente do Núcleo Sindical do PSDB Antonio de Sousa Ramalho (PSDB-SP) criticou, nesta quarta-feira (15), o uso indevido de recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) pelo governo federal.

“A presidente Dilma vem colocando, em média, R$ 116 milhões do Fundo para financiar programas como o Minha Casa, Minha Vida, fazendo festa com o dinheiro do trabalhador. Vamos contestar esse absurdo com ações judiciais”, disse o deputado estadual tucano.

Com rombos bilionários, causados pelo impacto das desonerações tributárias promovidas pelo governo federal, além do aumento de despesas com o seguro-desemprego e abono salarial, o FAT está a cada dia mais dependente do Tesouro Nacional.

Segundo reportagem do jornal Valor Econômico, somente neste ano, o Tesouro deverá abastecer o fundo com subsídios de R$ 3,256 bilhões, com o objetivo de equilibrar as receitas.

Para zerar o saldo e atingir um equilíbrio orçamentário, o Tesouro teria que injetar R$ 7,4 bilhões neste ano, além de dar continuidade ao suporte financeiro até 2016.

“Os trabalhadores estão tendo um prejuízo enorme, de quase 52%, segundo cálculos de juristas. Esse dinheiro é dos trabalhadores, e não do governo ou de empresas”, reforçou Ramalho da Construção.

Carga tributária

Ele lembrou que, apesar da elevada carga de impostos pagos pelo brasileiro, o governo ainda faz uso de um dinheiro que é direito do trabalhador.

“Esse governo do PT não tem limite para desviar dinheiro do povo, fala uma coisa e faz outra. O Brasil tem uma das maiores cargas tributárias do mundo, a maior da América Latina, e as piores taxas de juros. Enquanto isso, observamos que o país não cresce, a economia está falida, o fantasma da inflação está dominando e, a cada dia que passa, surge um escândalo maior”, lamentou.

Para Ramalho, de nada vale a alta arrecadação se o dinheiro não é revertido em investimentos em saúde, educação, segurança pública, transporte e infraestrutura de estradas, portos e aeroportos.

“Está na hora da sociedade chamar para si politicamente, no voto, a responsabilidade pelo que acontece nesse governo do PT, no ano que vem. Ou, infelizmente, a situação pode piorar”, finalizou.