Você está em:
IMPRIMIR

Deputada tucana de Roraima é relatora da lei que instituiu agosto como o ‘Mês da Amamentação’

3 de agosto de 2017

Projeto relatado pela deputado Shéridan foi transformado em lei este ano

Projeto relatado pela deputado Shéridan foi transformado em lei este ano

A deputada Shéridan (PSDB-RR) foi relatora do projeto, transformado em lei este ano, que instituiu agosto como o mês da amamentação. Pela lei, é preciso adotar uma série de ações de esclarecimentos sobre a importância de amamentar, incluindo palestras e divulgação de informações em espaços públicos.

“A amamentação é a principal forma de oferecer ao bebê os nutrientes necessários para sua sobrevivência e seu desenvolvimento, além de aumentar o vínculo afetivo [entre a mãe e o bebê]”, afirmou Shéridan nas redes sociais. “Amamentar é um ato de amor.”

De acordo com a revista científica britânica The Lancet, o Brasil é referência mundial em aleitamento materno ao lado dos Estados Unidos, Reino Unido e China. Foram analisados 153 países. Mais investimentos, segundo a publicação, representariam um acréscimo de 300 bilhões de euros à economia global, podendo salvar a vida de pelo menos 800 mil crianças por ano em todo o mundo.

Benefícios

As crianças que são amamentadas por mais tempo têm melhor desenvolvimento intelectual (um aumento médio de 3 pontos no QI), contribuindo para r o desempenho escolar, conforme informações do Ministério da Saúde.

Com o leite humano, o bebê fica protegido de infecções, diarreias e alergias, cresce com mais saúde, ganha peso mais rápido e fica menos tempo internado. O aleitamento materno também diminuiu o risco de doenças como hipertensão, colesterol alto, diabetes, obesidade e colesterol.

O benefício também se estende à mãe, que perde peso mais rapidamente após o parto e ajuda o útero a recuperar seu tamanho normal, o que diminui risco de hemorragia e anemia.

Bancos de leite

O Ministério da Saúde informa que o Brasil é o país que possui a maior e mais complexa rede de bancos de leite humano do mundo. Atualmente, conta com 218 bancos de leite e 161 postos de coleta distribuídos em todos os estados.

De 2012 a 2016, foram repassados R$ 3,2 milhões para custeio do serviço no país. O modelo do banco de leite humano brasileiro é referência internacional e, desde 2005, o país exporta técnicas de baixo custo para implementar bancos de leite materno em 25 países da América Latina, Caribe Hispânico, África Portuguesa e Península Ibérica.

Fonte: PSDB Mulher