Você está em:
IMPRIMIR

“Sem tempo para os filhos”, por Solange Jurema

4 de novembro de 2015

Solange-Jurema-Topo-1

Há muito se discute os novos papéis da mulher na sociedade pós-guerra. Com o advento da chamada sociedade de consumo e a crescente participação feminina no mercado de trabalho, a mulher assumiu novas funções, novas atividades, mas ainda continuou sendo mãe.

Mudam os hábitos e costumes, mudam os relacionamentos afetivos, porém a maternidade mudou pouco. A quase totalidade das obrigações parentais e familiares permaneceu sob a responsabilidade da mãe, com raras exceções.

Essa nova realidade levou à mudança da composição familiar, que caiu de 4,3 integrantes, no começo da década de 80, para 3,3 integrantes no começo deste século.

Uma queda substancial, acompanhada do crescimento do número de famílias que tem na mulher sua principal referência, que passou de 16,9%, em 1981, para 27,3% em 2001, segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais de 2003, do IBGE.

Esse novo quadro diminuiu a interação da mãe com os filhos, como comprova a pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) com mulheres residentes em todas as capitais brasileiras.
Atualmente 42,1% das mães passam menos de 10 horas por semana com seus filhos, descontado o tempo de sono – ou seja, em média, não chegam a uma hora de convívio por dia com suas crianças!

No período em que convivem com suas crias, a principal atividade conjunta é partilhar a televisão – 83,8% delas – seguido de passear em parque e praças (50,8%) e brincar (50.4%), em um mosaico de múltiplas opções.

Naturalmente, esse distanciamento leva a um inevitável sentimento de culpa, também revelado na pesquisa do SPC: pelo menos 32,7% delas carrega essa “culpa” consigo e 35,8% acredita passar pouco tempo com os filhos em função de seu trabalho profissional.

Os números falam por si e desnudam o drama de consciência que a maioria das mães brasileiras vive nos dias de hoje.

Sem apoio do parceiro, sem respaldo no trabalho e sem qualquer amparo do Estado, a brasileira assumiu novos papéis, sem deixar de cumprir as funções de maternidade. Um dilema que, se não a impede de continuar a luta diária para se manter e aos seus com dignidade e um pouco mais de conforto, cobra um alto preço em estresse e desamparo psicológico.

E, no entanto, ela sobrevive, e avança, como sempre. Viva a mulher brasileira!

*Solange Jurema é presidente do Secretariado Nacional da Mulher/PSDB