Você está em:
IMPRIMIR

Reunião Ampliada do PSDB da Mulher retoma Campanha Nacional de Filiação Rumo aos 50%

5 de agosto de 2015

Reunião do PSDB Mulher em Brasília -  Foto: Gláucia Beatriz/PSDB-Mulher DF

Reunião do PSDB Mulher em Brasília – Foto: Gláucia Beatriz/PSDB-Mulher DF

A reunião ampliada do Secretariado Nacional da Mulher/PSDB de 2015, realizada nessa terça-feira (04/08), em Brasília, com a presença das novas integrantes da Executiva do PSDB Mulher Nacional, foi bastante produtiva. A decisão mais importante: retomar a Campanha Nacional de Filiação “Rumo aos 50%”, que visa alcançar a paridade de filiadas ao PSDB.

O lançamento oficial já tem data: dia 14 de agosto, em Maceió, com a presença do presidente do PSDB, senador Aécio Neves, e vai até 2 de outubro.

A abertura, britanicamente no horário, ficou a cargo da presidente nacional do PSDB Mulher, Solange Jurema, que destacou a essencial contribuição de Thelma de Oliveira – presidente anterior – nas conquistas alcançadas nos últimos anos, e passou ao tema de sua apresentação; “A Importância das Políticas Públicas, a Questão de Gênero e Perspectivas do PSDB Mulher”.

“Apesar de todo o avanço que tivemos no século XX, realmente muito grande – basta comparar o que significava ser mulher no início daquele século, e o que significa neste – para perceber que a diferença é enorme, mas como sou advogada por formação preciso avisar. Não existe direito outorgado, todo o direito é conquistado e foi a nossa geração, minha e da Yeda, que começou esta luta”, disse Solange, para quem há muito que fazer. Ainda conheço mulheres que dizem “não sou feminista” e, no entanto o são: são fortes, lutam pelos seus direitos e não se assumem como tal, porque até hoje a imagem da feminista é a da Betty Friedman: aquela mulher raivosa, feia, mal amada. As mulheres não devem se constranger em dizer, “sou feminista porque luto pela equidade”.

Solange abordou, também, o enorme impacto que a corrupção está causando à sociedade e de que maneira entende que o PSDB Mulher deve se posicionar, em relação a esse momento. “Agora o povo está entendendo a grave consequência do que significa a corrupção. Começa a sentir na pele que a política econômica, que está sendo afetada por ela, tem consequências graves para todos nós, principalmente os mais pobres. Essa percepção é ainda mais importante porque sabemos que teremos a grande oportunidade, no ano que vem, de discutir que município é esse que nós queremos”.

“Hoje temos uma nova etapa, um novo grupo, estamos com novos grupos temáticos, para ajudar a contribuir ainda mais com as eleições do próximo ano, para melhorar o nosso partido e o nosso país. Porque na verdade o que nós todas queremos é um mundo melhor para nossos filhos e nossos netos”, finalizou a presidente do PSDB Mulher Nacional, que sempre insistiu na maior participação da mulher na política nacional como forma de melhorar a realidade social e econômica do país.

Análise da Conjuntura Atual

Encerrado o painel de Solange Jurema, Thelma de Oliveira comemorou a vinda à Brasília de representantes de 24 estados. “Estamos com 95% da Executiva Nacional presente à reunião”, destacou, passando a palavra à próxima painelista, a ex-governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius.

“Embora Thelma tenha dito que dispenso apresentações, discordo”, começou Yeda, “Acho que é preciso sempre ser apresentada, se deixar conhecer. Há um tempo de ouvir, e hoje o tempo é carrasco em não permitir debate. O que Solange falou é de uma riqueza e de uma importância enorme. Infelizmente não poderemos permitir perguntas que nos deixem conhecer melhor vocês. Por outro lado, o que acontece no Rio Grande do Sul é o tempo que me liberta, o caos que meu estado vive hoje me resgata. O Rio Grande vive a falência do estado. Quando o governador pede que a população não saia porque não pode se responsabilizar pela segurança dela, é porque o estado faliu”, constatou.

Yeda fez um breve resumo de sua experiência como política, no governo Itamar, em um ministério chave – foi Ministra do Planejamento.

Na vida pública, disse ter percebido logo o choque entre sua visão de economista, que analisa números, e o olhar do político, para quem o tamanho é sempre priorizado. “No Parlamento descobri que tudo é uma questão de tamanho e eu respondia: não, tudo é uma questão de número. Temos que aumentar o número de participantes e de leis. No próprio PSDB Mulher foi e é assim, não chegamos até aqui por acaso. Foi um trabalho cotidiano, a Thelma faz o que gosta e sabe”.

O quadro a emoldurar

Para a ex-governadora, conjuntura é como um quadro que precisa de moldura. “A nossa companheira, Tania Ribeiro, falou no jantar de ontem sobre a Roda da Vida, só que, quando ela gira, você nunca volta para o mesmo lugar. Eu apanhei muito em meu governo, do grupo do Tarso Genro e só não me pegaram porque não tinha nada a esconder; o meu tempo é libertador porque a Roda rodou e a crise desta semana mostrou que quem interrompeu um ciclo de 40 anos de déficit anual foi o meu governo, que depois de dois anos de administração anunciou déficit zero. Precisou passar o tempo para que Tarso Genro detonasse os R$ 3,6 bilhões que deixei em caixa”. Yeda foi certeira, “Na conjuntura de hoje que é o tempo zero, precisaram acontecer coisas do passado, para que a geração de hoje formasse opinião. Para mim, a conjuntura de hoje é o seguinte: o Rio Grande do Sul quebrou, o governo quebrou, o Brasil quebrou”.

Retrato sombrio

“A capa da Veja desta semana está certa, estamos dentro de uma tempestade perfeita; em quatro anos quebraram o Rio Grande do Sul. O Brasil viveu uma grande festa, gastou mais do que arrecadou, mentiu, não mostrou seus números. Mas não se pode mentir eternamente, porque estados e municípios quebram. Vem ajuda de fora? Não, porque a China está quebrando, porque ela mente sobre seus números também. A descoberta do gás de xisto pelos EUA mudou a equação econômica mundial e Obama passou a poder fazer o que ele quis e o que sobrou para nós está no pré-sal. O que sobrou para nós foram as mentiras da Dilma, o pré-sal, os barris de petróleo que Dilma esperava vender a R$140,00, a tempestade perfeita e a crise política perfeita”, analisou Yeda.

“Segundo item da conjuntura: a Lava Jato, que tem o maior quinhão que se pode imaginar, por isso não a fecham. Moro sabe onde vai chegar e não vai ser agora. Vai demorar o tempo que achar necessário”, destaca a ex-governadora, para quem a Lava Jato alimentará a crise atual ainda por alguns anos, com a ajuda da internet.

Yeda pincela mais um pouco, já agora projetando sua análise sócio-econômica em direção ao futuro: “Tenho algo a fazer com a minha experiência e nesse quadro eu quero colocar moldura: O Vladimir Putin está criando um bloco; a Eurásia, onde se se renega a religião; teremos outro bloco no mundo islâmico – religioso, pouco educado e polígamo -, que atualmente migra para Inglaterra e França em busca de melhores políticas sociais, e aqui destaco que a França voltará a ser um país de onde se poderá esperar que saia grande mudança. Na moldura mundial teremos também a Índia, espiritualizada e muito populosa e os EUA, nadando de braçada, com Obama livre, graças ao gás de xisto, e finalmente fazendo o que se propôs, como o reatamento de relações com Cuba e o acordo com o Irã”. No quadro de Yeda, teremos um mundo marcado pelas grandes migrações e pela religião.

Sob aplausos entusiasmados, Yeda Crusius encerrou seu painel, que estará em breve em áudio em nossa sala de leitura, chamando atenção para o que considera a realidade econômica do terceiro milênio: a economia compartilhada, que elimina os bancos, funciona na base da confiança e nasceu nos porões das longas ditaduras. “Os movimentos de rua sabem disso, portanto dia 16 de agosto, todas pra rua”, convocou.

Estatuto do PSDB

Thelma de Oliveira, vice-presidente do PSDB Mulher Nacional, explicou às recém-chegadas como funciona a Executiva, apresentou a equipe, mostrou onde encontrar o Estatuto e seus artigos mais importantes. Mais do que isso, explicou que os 30% legais que Aécio concedeu dentro da Executiva Nacional devem ser estendidos a todas as instâncias: ITV, estaduais e municipais. “É muito importante militar dentro dos diretórios. Nunca aconteceu termos nove mulheres dentro da Executiva, mas se formos esperar que nos convidem para ocupar mais espaços, podemos desistir, não vai acontecer.”

Avisando que, apesar da campanha “Rumo aos 50%” lançada em 2013, visando alcançar a paridade no número de filiações em todo o Brasil, apenas quatro estados (Amapá, Distrito Federal, Rio de Janeiro e Roraima) conseguiram chegar a esse resultado, Thelma alertou: “Precisamos ampliar nosso quadro de candidatas agora para as próximas eleições, é difícil chegar lá. Se começarmos agora um trabalho de base, será mais fácil ajudar nossas companheiras. Esse processo começa desde agora, não podemos esperar, é daqui que começa a vitória, não podemos deixar a população brasileira com a imagem de que a única mulher que governou o país foi um desastre.”

“Não podemos dar um passo sequer que não esteja dentro de um planejamento, uma proposta, uma disciplina, porque essas são qualidades femininas, partido nenhum faz reuniões como nós”. Thelma encerrou sua fala desafiando várias das presentes a assumirem candidaturas já em 2016, ampliando o número da representação feminina na política nacional.

Em seguida a equipe da Executiva explicou a utilização do fundo partidário às novas presidentes, na ocasião foram relatados casos em que há grande resistência da parte dos presidentes dos diretórios estaduais, na entrega do fundo partidário destinado ao PSDB Mulher, assim como o tempo destinado às mulheres nas inserções publicitárias. E as várias ferramentas de mídias sociais à disposição dos diretórios, durante a apresentação, foi pedida mais interação dos diretórios com os meios de comunicação social do PSDB Mulher, como meta a alcançar para amplificar as ações regionais e integrar as várias tucanas desse Brasil continental e diversificado.

Sandra Quezado, presidente do PSDB Mulher DF e Ouvidora do PSDB Mulher Nacional apresentou o novo ícone da Ouvidoria no site e como vai funcionar o novo órgão.

Participar para crescer

Eliana Piola, secretária-geral do PSDB Mulher, falou sobre a importância da participação das tucanas na IV Conferência Nacional de Política para Mulheres. Após comentar a pressão feita por ela e Nancy para que houvesse representação de partidos de oposição e da situação no Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, Eliana ficou como suplente. Alertando para o fato de que a Conferência Nacional, excepcionalmente, ficará para março de 2016, ano eleitoral, e reunirá 3mil mulheres. “Precisamos estar atentas e presentes, para eleger o maior número de delegadas para a Conferência Nacional que acontecerá em março e terá reflexos na campanha de 2016.” Quem convoca: Poder Executivo, CNDM, Poder Legislativo e a Sociedade Civil (três entidades juntamente, que funcionem há mais de dois anos). De 31 de julho a 18 de agosto.

Jimmy Rocha trouxe para o debate o trabalho feito com objetivo de ensinar povo brasileiro a fiscalizar o que é dele. “Graças a Deus nasceu a Aliança do Povo Democrático e praticamente em 75% dos movimentos envolvidos, são as mulheres quem estão à frente deles”.

Dra. Cristina Lopes Afonso, presidente do PSDB Mulher de Goiânia, iniciou sua fala agradecendo o brilhantismo de Yeda Crusius, dizendo acreditar muito que um dia a Justiça acontece e que é gratificante ver que o dia da justiça para ela chegou. Contou sua história de superação e sua nova empreitada: a política. Disse que sua meta é buscar o voto de quem não é obrigado a votar: o menor de 18 anos e o maior de 60. “A grande esperança desse país hoje se chama PSDB e temos que fazer base para atender a esse sentimento. Ano que vem é nossa grande oportunidade. Defendo e trabalho para que o PSDB eleja muitas mulheres em 2016.”

Redes Temáticas

Nancy Thame, vice-presidente do PSDB Nacional, apresentou as Redes Temáticas: “Temos algo novo no PSDB Mulher Nacional, que já fizemos em São Paulo e tem o respaldo do estatuto. Por que fazê-las? Eu sinto que temos um potencial tão grande, tão rico, que o modelo tradicional de compartilhamento já não é mais suficiente para distribuí-lo. Redes temáticas, portanto, seriam, canais que teriam como objetivos desenvolver propostas e ações em temas relevantes e de interesse do segmento; promover maior integração das filiadas; alimentar cotidianamente o debate político. Serão propostas criadas e mantidas junto ao secretariado nacional, onde serão submetidas à avaliação. A livre comunicação entre elas será incentivada, podendo haver, inclusive, a fusão entre duas ou mais delas, em algum momento”, enfatizou Nancy que, em seguida, deu posse às coordenadoras das Redes. Ficaram definidas seis coordenações:

–  Ações Afirmativas, sob a coordenação de Flávia Cruvinel, do PSDB-Mulher GO;

–  Articulação Comunitária, sob a coordenação de Sonaly Bastos, do PSDB-Mulher AL;

–  Educação e Cidadania, sob a coordenação de Eliana Rodrigues, do PSDB-Mulher MS;

–  Habitação, Transporte e Mobilidade Urbana, sob a coordenação de Cinthia Ribeiro, do PSDB-Mulher TO;

–  Terceiro Setor, sob a coordenação da Srtª Jimmy, do PSDB-Mulher CE.

Depois do almoço, com o horário corrido em função do voo de volta aos estados natais de 40 participantes, formaram-se cinco grupos de trabalho para que as várias mulheres trocassem ideias e sugestões, que serão divulgadas oportunamente. Na saída da reunião, uma decisão já estava confirmada: retomar a Campanha Nacional de Filiação, marcada para o dia 14 de agosto, mesma data em que acontecerá o evento em Maceió, com a presença do presidente do PSDB, senador Aécio Neves. O prazo para as novas filiações vai até o dia 02 de outubro de 2015, hora de correr, portanto, em busca da paridade, de alcançar 50% de filiadas para o PSDB em todo o Brasil. Não há tempo a perder.