Você está em:
IMPRIMIR

PSDB-Mulher inicia fortalecimento nas cidades

24 de janeiro de 2012

Thelma de Oliveira, presidente do PSDB-Mulher

O PSDB-Mulher lança um projeto para fortalecimento de suas atividades em todos os municípios do país. O primeiro passo da iniciativa será dado na quarta-feira (25), em Palmas, com a abertura do secretariado municipal do núcleo feminino do partido na cidade. Depois da capital do Tocantins, outras cidades sediarão encontros semelhantes.

As capitais – além de Palmas, haverá eventos em Fortaleza, Teresina e outras – são consideradas centros de difusão dos ideais do PSDB-Mulher. A expectativa é que a consolidação dos grupos nas principais cidades, aliada às ações dos secretariados estaduais, seja um estímulo para que o PSDB-Mulher esteja presente e atuante em todos os municípios do Brasil. Para o partido, a intensificação do trabalho do PSDB-Mulher na esfera municipal se torna ainda mais vital em um ano como 2012, no qual serão realizadas eleições em todo o país para a escolha de prefeitos e vereadores.

“O PSDB considera que a atuação das mulheres na política não deve ser vista como algo acessório ou um simples anexo. É elemento vital da transformação que a política deve proporcionar a cada um dos brasileiros”, declarou o presidente nacional do partido, o deputado federal Sérgio Guerra (PE).

Ainda não estão definidas as datas dos lançamentos dos secretariados do PSDB-Mulher em outras capitais. O núcleo é presidido pela ex-deputada federal Thelma de Oliveira (MT).

Ceci Cunha
O PSDB-Mulher teve participação decisiva na mobilização que pediu o julgamento dos acusados da morte da deputada Ceci Cunha (AL) e de mais três pessoas. O crime, ocorrido em 1998, permaneceu sem solução por mais de 13 anos, até a realização do julgamento, concluído em janeiro de 2012. Os quatro acusados pela chacina foram condenados.

O braço feminino do partido realizou mobilizações, tanto em Alagoas quanto em outras regiões do Brasil, em que pedia o fim da impunidade. Em um destes atos, ocorrido em Brasília, as militantes espalharam cruzes no gramado da Esplanada dos Ministérios, para lembrar as quatro vítimas da chacina.