Você está em:
IMPRIMIR

PSDB-Mulher debate propostas para candidatura do Partido à Presidência da República

27 de novembro de 2013

Brasília – As propostas foram apresentadas durante o último  curso de política para mulheres promovidos pelo PSDB-Mulher Nacional e a Fundação Konrad Adenauer.  Ao longo deste ano, a parceria realizou cinco encontros : Rio de Janeiro, Salvador, Brasília e dois em São Paulo.

A iniciativa é voltada às lideranças femininas interessadas em adquirir conhecimentos na esfera parlamentar e discutir políticas de gênero, sociais e econômicas. Cerca de 70 representantes do Distrito Federal e dos 26 estados participam do encontro.

Para a presidente do PSDB-Mulher, Solange Jurema, o curso foi “uma oportunidade para apresentar e debater propostas que vão integrar o programa do candidato do Partido à Presidência da República em 2014”.

Durante dois dias, as participantes do encontro ouviram palestras apresentadas por cientistas políticos, especialistas em gestão pública, pesquisa de opinião. Os temas abordaram o Sistema Político Brasileiro, a Conjuntura Nacional, Sociedade Civil e Estado.

A socióloga e especialista em pesquisas de opinião pública, Fátima Jordão, destacou “que as mulheres vêm decidindo as eleições nas duas últimas disputas eleitorais à presidência e que elas forçaram a realização do segundo turno”. De acordo com Fátima, “as mulheres, geralmente, decidem nos três dias que antecedem as eleições, após avaliarem as campanhas dos candidatos”.

Coordenadora de Políticas Públicas para as Mulheres do Estado de Minas Gerais, a advogada, Eliana Piola, ressaltou a importância da Lei Maria da Penha para o combate à violência contra as mulheres. Mas alertou que é necessário expandir a rede de serviços, como a criação de mais casas abrigo, delegacias especializadas. E recomendou “um trabalho conjunto com o SUS – Sistema Único de Saúde – para aproveitar a capilaridade do atendimento público de saúde na proteção à mulher”.

O cientista político e pesquisador da UNB – Universidade de Brasília, João Paulo Peixoto, fez uma análise do papel do Estado na conjuntura nacional. Segundo ele, “o Estado é tudo, mas não deve fazer tudo. O Brasil requer hoje de menos participação do Estado e mais da Sociedade”. E conclui: “Não precisamos do Estado restringindo a nossa liberdade. Brasília não pode continuar sendo a Meca política e econômica do País”.

Já para Ceres Prates, ex-Secretária de Gestão do Ministério do Planejamento do governo Fernando Henrique Cardoso, “o papel do Estado não é trabalhar para si, mas para a sociedade”.

Na mesa redonda sobre Sociedade Civil e Estado, a assistente social Maria Cecília Ziliotto, afirmou que “a política de assistência social cuida da criança, do adolescente e do idoso. Deixa de fora o segmento dos 18 aos 60 anos”. Maria Cecília acrescentou que “a política da Mulher deve ser inserida na proposta da economia solidária”.

Solange Jurema, presidente do PSDB-Mulher fez uma fez uma análise sobre o Bolsa Família. Disse que programa parte da premissa de que a renda resolve tudo. Mas é imperativo que as políticas de transferência funcionem: “a população tem direito à saúde e à educação públicas de qualidade. Assim as os assalariados possuem uma vida mais digna”.

As participantes do encontro fizeram intervenções, questionamentos e, regra geral, reafirmaram o compromisso com os ideais do PSDB.

 

 

Propostas

Na segunda parte do curso foi realizada uma dinâmica de grupo. A vice-presidente do PSDB-Mulher, Thelma Oliveira, reafirmou que “o PSDB quer eleger mais mulheres tucanas no Parlamento e para isso é importante que o Secretariado Nacional veja quem tem potencial para ser candidata”. E pediu a participação efetiva da militância: “quem não for candidata, ajude quem for e contribua com o programa de governo do partido para ás eleições em 2014”.

Nancy Thame, segunda vice-presidente do PSDB-Mulher distribuiu temas entre as setenta participantes e coordenou o debate sobre as propostas.  As representantes estaduais levantaram questões sobre a Valorização da Diversidade Cultural, Justiça, Educação, Saúde, Qualidade de Vida, Economia Sustentável, Política de Gênero. De acordo com Nancy, “é sempre um aprendizado quando nos encontramos. As contribuições aproximam e apontam caminhos”.

As participantes do encontro fizeram intervenções, questionamentos e reafirmarem o compromisso com os ideais do PSDB para o desenvolvimento do país e a melhoria da vida da população.

A coordenadora de projetos da Fundação Konrad Adenauer, Aline Soares, reforçou a importância da parceria com o PSDB-Mulher e disse que já estão agendados cinco treinamentos de política para as mulheres, no próximo ano. Desta vez o foco será a capacitação das mulheres candidatas às eleições.