Você está em:
IMPRIMIR

Há mais mulheres abrindo empresas do que homens

17 de março de 2014

Novas empreendedoras representam 52% do mercado, mais da metade pela primeira vez no Brasil

Sonho realizado. Joana Malta abriu um bistrô e, mesmo fazendo de tudo e trabalhando 15 horas, está feliz no negócio próprio

ANA PAULA PEDROSA

Há menos de dois meses, a chef de cozinha Joana Malta inaugurou seu próprio bistrô, o Comitê Gastrobar, no bairro Santo Antônio, zona Sul de Belo Horizonte. O projeto era antigo e veio amadurecendo com o tempo. Agora, Joana integra o time das mulheres empreendedoras, um grupo que vem crescendo no país e que, pela primeira vez, mais do que os homens.

De acordo com pesquisa do Sebrae, 52% das empresas abertas no país nos últimos três anos e meio têm mulheres à frente. Entre as empresas mais antigas, as empresárias são 42%. “A cada ano, o perfil do empreendedor brasileiro se torna mais feminino e mais escolarizado”, destaca o presidente do Sebrae, Luiz Barretto. No caso de Joana, ela juntou a paixão pela culinária com o projeto de criar um bistrô mais descolado, como ela define o negócio. “Um lugar que pode ser gourmet, mas ter uma varanda com chope”, diz. Para colocar a ideia em prática, ela trabalha cerca de 15 horas por dia há pelo menos cinco meses em diversas funções. “Nem sei mais o que é dormir. Faço de tudo um pouco: recursos humanos, gerente de compras”, explica.

Para abrir a empresa, ela e o irmão investiram cerca de R$ 500 mil. O retorno do capital é esperado em cerca de um ano. “Apostamos todas as economias”, diz.

Flexibilidade. Entre os fatores decisivos para a entrada das mulheres no mundo do próprio negócio está a possibilidade de conciliar os horários com a família. “Isso não quer dizer que elas trabalhem menos, mas ganham autonomia para escolher seus horários”, afirma o presidente do Sebrae.

“Buscamos uma tendência de mercado e uma cidade com bom poder aquisitivo. Por isso, escolhemos abrir a empresa em Campinas.”

Carolina Ferreira – LuxGlass