Você está em:
IMPRIMIR

Especialistas discutem saúde pública e violência contra a mulher

16 de maio de 2011

Militantes mineiras dos direitos das mulheres se reuniram nesta quarta-feira (10), no auditório da Fundação Oswaldo Cruz, para debaterem políticas de gênero, proteção às mulheres vítimas de violência e a igualdade social. O fórum “Mulheres em Situação de Violência, um tema de saúde pública”, reuniu especialistas em saúde pública do Estado e contou com a participação da secretária de Estado de Desenvolvimento Social, Ana Lúcia Gazzola, da coordenadora Especial de Políticas Públicas para Mulheres, Eliana Piola e da presidente do Conselho Estadual da Mulher, Carmen Rocha. O evento faz parte das comemorações da semana do Dia Internacional das Mulheres, celebrado nessa segunda-feira (8).

De acordo com Ana Lúcia Gazzola, o tema é tratado como uma das prioridades da Sedese. “Assim que assumi a secretaria pude acompanhar o vice-governador Antonio Anastasia na entrega de equipamentos para 41 delegacias especializadas em Minas Gerais. Precisamos oferecer às mulheres mineiras que necessitam do Estado um aparato público que ofereça um serviço de qualidade”, ressaltou.

A coordenadora da Cepam, Eliana Piola, destacou as importantes conquistas de Minas Gerais na luta pelo combate à violência contra a mulher. “Temos uma iniciativa pioneira no país que é o Centro Integrado Multidisciplinar (CIM). Ele integra serviços como Defensoria Pública, Delegacia da Mulher, Centro de Referência da Mulher, entre outros. Esse trabalho otimiza gastos e o tempo da mulher agredida, que encontra todos os serviços em um único local. Atualmente temos um centro em Belo Horizonte e mais sete serão instalados no Estado. Tenho certeza que se tornarão uma referência nacional no combate à violência contra a mulher”, explicou.

Outros temas foram abordados durante o seminário como os cuidados com a saúde da mulher, principalmente em relação às doenças sexualmente transmissíveis, como a Aids.

Cepam

Criada em 2007, a Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para Mulheres desenvolve várias ações que visam garantir e preservar os direitos das mulheres.

Data

Em 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, como redução da carga horária, equiparação de salários com os homens e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho. A manifestação foi reprimida com violência e as mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada e 129 tecelãs morreram carbonizadas.

Fonte: Agência Minas