Você está em:
IMPRIMIR

8 de março: Desafio é avançar na conquista de espaço para a mulher, diz deputada tucana

7 de março de 2017

Geovania-sa

As lutas femininas ao longo da história serão celebradas nesta quarta-feira (8), Dia Internacional da Mulher. O Congresso Nacional realiza sessão solene no mesmo dia, às 11 horas, em comemoração à data. Segundo a deputada Geovania de Sá (PSDB-SC) (foto), embora as lutas femininas tenham
garantido progresso para as mulheres contemporâneas e a conquista de direitos e cidadania, ainda há muitos espaços a serem conquistados, principalmente na política.

“Precisamos avançar, porque hoje as mulheres ocupam somente 10% das câmaras municipais e da federal. É muito aquém do que precisamos”, disse. Outra preocupação da deputada é avançar para além dos debates por políticas públicas voltadas a mulher, criança e adolescente, mas tratar de políticas públicas para todos os cidadãos.

A representação feminina na política tem o protagonismo das mulheres filiadas ao Partido da Social Democracia Brasileira. Nas eleições do ano passado, o PSDB elegeu 78 prefeitas e 871 vereadoras. Foi o único a eleger uma mulher nos 57 municípios onde a eleição foi decidida no segundo turno. Raquel Lira venceu a eleição em Caruaru (PE), quarto colégio eleitoral do estado de Pernambuco.

O número expressivo teve a contribuição do trabalho do PSDB-Mulher. O partido promoveu, em todo o país, cursos de capacitação, distribuição de materiais e apresentação de propostas para incentivar candidaturas femininas ao partido. Esse é o desafio a ser vencido, avalia Geovania de Sá. Ela considera que há um avanço lento e gradual, graças a esse trabalho de buscar as mulheres e mostrar a importância do papel que podem desempenhar.

“Nós, mulheres, também temos ido para a linha de frente para buscar e conquistar esses espaços. Os partidos buscam o público feminino até para cumprir a lei eleitoral, que exige 30% das vagas ofertadas para candidatas, mas nós devemos de fato ocupar esse espaço”.

Para Geovania de Sá, a jornada tripla dificulta a participação feminina. “Ela atrapalha a participação na sociedade, nos conselhos – num bairro, na comunidade. Tanto que o número de vereadoras esse ano caiu em proporção à última legislatura”, disse.

Também existe a necessidade de novas ações para que mulheres possam usufruir da equidade de gênero. Dados da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres no Ministério da Justiça, a cada quatro minutos uma mulher é vítima de violência. Em 12 minutos acontece um estupro de uma menina ou mulher.

Comemoração

Na Câmara, estão programadas palestras, exposição e a premiação do concurso sobre a Lei Maria da Penha. A exposição “Empoderamento e conscientização”, no corredor de acesso ao Plenário, poderá ser visitada até o dia 29 de março. Ela pretende provocar o debate sobre padrões de beleza, a participação da mulher na política, reconhecimento público das grandes personalidades femininas que marcaram a história.

Na sessão solene do Congresso Nacional, haverá a entrega do prêmio a mais cinco mulheres que contribuíram para a defesa dos direitos das mulheres e questões de gênero no Brasil: Denice Santiago Santos do Rosário, Diza Gonzaga, Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert, Raimunda Luzia de Brito e Tatiane Bernardi Teixeira Pinto.

Conquistas históricas

Desde o início do século XIX, a participação das mulheres em todos os setores do trabalho foi largamente ampliada, substituindo o pensamento tradicional pelo liberal. Entre as exigências estavam a maior participação na política e o direito de votar e ser votada. Essa foi a reivindicação que permeou parte do começo do século, tendo como marco histórico a Federação pelo Progresso Feminino, organizado por Bertha Lutz.

Em 1932, o direito feminino de votar estava garantido, embora não fosse obrigatório. E marcou a luta pela igualdade de gênero, principalmente pelo reconhecimento da mulher como cidadã. Em 1933, a médica, escritora e pedagoga Carlota Pereira de Queirós assumia uma cadeira no Parlamento e participava dos trabalhos na Assembleia Nacional Constituinte. A luta, no entanto, prossegue.

Fonte: PSDB na Câmara