Você está em:
IMPRIMIR

“Chega!”, artigo da presidente do PSDB-Mulher, Thelma de Oliveira

16 de fevereiro de 2012

Thelma de Oliveira: "chega de barbáries"

A recente barbárie cometida por doze homens contra seis mulheres em Queimadas, na Paraíba,  em que duas delas foram brutalmente assassinadas, mostra como o Brasil ainda está atrasado em políticas públicas preventivas e na aplicação da legislação que, de fato, as protejam.

É inominável saber que as mulheres foram atraídas para uma “festa” na casa de supostos amigos que, mesmo na presença de suas esposas, cometeram as barbaridades de estuprá-las e matar covardemente duas delas, que os teriam reconhecido. Causa nojo e repulsa a qualquer cidadão que viva em sociedade!

Essas meninas
As alegres meninas que passam na rua, com suas pastas escolares, às vezes com os seus namorados. As alegres meninas que estão sempre rindo, comentando o besouro que entrou na classe e pousou no vestido da professora; essas meninas; essas coisas sem importância.

As autoridades policiais, o Ministério Público e a Justiça da Paraíba não podem tergiversar; não podem, em nenhum momento, em nenhuma instância ou sob qualquer pretexto ou argumento permitir que esses homens saiam impunes – inclusive os três menores de idade.

A nova ministra da Secretaria de Políticas para as  Mulheres, Eleonora Menicucci, também não pode se omitir no caso e, sim, arregaçar as mangas e lutar para que a punição seja rigorosa e exemplar.

Ministra, se aborto é questão de saúde pública, estupro é questão de segurança pública e de atenção especial do Poder Público, quando se trata de violência contras as mulheres, como ocorreu em Queimadas.

A indignação toma conta de todas nós, mulheres tucanas; não só das paraibanas, como as de todas as unidades da Federação. Estamos denunciando esse crime bárbaro em todos os estados brasileiros, em todos os municípios.

O uniforme as despersonaliza, mas o riso de cada uma as diferencia. Riem alto, riem musical, riem desafinado, riem sem motivo; riem.

Estamos, inclusive, alertando as mulheres para um aspecto peculiar desse duplo assassinato: as mulheres foram envolvidas por pessoas conhecidas, que se diziam amigos, e confiaram neles.

As estatísticas indicam que mais da metade, de casos de estupros contra mulheres, especialmente de menores, e cometidas por parentes ou pessoas próximas à família ou supostos amigos.

Todo cuidado é pouco, toda a atenção, é pequena, como infelizmente a barbárie de Queimadas, mais uma vez, nos revelou.

Hoje de manhã estavam sérias, era como se nunca mais voltassem a rir e falar coisas sem importância. Faltava uma delas. O jornal dera notícia do crime. O corpo da menina encontrada naquelas condições, em lugar ermo.A selvageria de um tempo que não deixa mais rir.

A recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que  ampliou a ação legal da Lei da Maria da Penha, foi um alento, mas nele a maior lição veio da fala da ministra Carmem Lúcia, que expressou um sentimento que é de todas nós: “Enquanto houver uma mulher sofrendo em qualquer canto deste planeta, eu me sinto violentada”.

É assim, ministra Eleonora Menicucci, que todas nós nos sentimos nesses dias porque, num canto de nossa querida Paraíba, mulheres brasileiras foram mortas e estupradas violentamente. E esse crime não pode ficar impune!

Chega de barbáries contra as mulheres!

Thelma de Oliveira
Presidente Nacional do PSDB-Mulher

As alegres meninas, agora sérias, tornaram-se adultas de uma hora para outra; essas mulheres.
Carlos Drummond de Andrade