Você está em:
IMPRIMIR

Vice de Anastasia rebate crítica de Costa à nova lei de remuneração dos professores

25 de agosto de 2010

O candidato a vice-governador pela Coligação “Somos Minas Gerais”, deputado Alberto Pinto Coelho, rebateu nesta quarta-feira, dia 25, as afirmativas feitas pelo candidato do PMDB ao Governo de Minas, Hélio Costa, a respeito da nova política remuneratória para os professores aprovada pela Assembleia Legislativa. Alberto Pinto Coelho disse que as declarações demonstraram desconhecimento sobre a nova lei e principalmente desrespeito aos sindicatos dos professores e às bancadas dos partidos que aprovaram o texto, incluindo a do PT e do PMDB. 

“Essa afirmativa é de um desconhecimento de causa, em primeiro lugar. Em segundo lugar é um desrespeito ao SindUte, ao Parlamento e aos seus companheiros do PMDB, do PT e do PCdoB que votaram essa matéria. Tem uma tabela de progressão e promoção e é fundamental esclarecer: os percentuais que estão ali fixados vão recair sobre um novo piso, o salário. Porque antes, como o salário era menor, as vantagens, as progressões e as promoções não incidiam sobre elas. Agora, como o piso englobou tudo, as progressões e promoções recairão sobre uma base muito maior, que é salarial”, afirmou o candidato a vice, presidente da Assembleia Legislativa há dois mandatos.


Nova política

Segundo a Lei 18975/2010, que passa a valer em janeiro, as gratificações pagas atualmente aos professores serão incorporadas ao salário. Com isso, os servidores terão maior segurança sobre o valor final da sua remuneração ao longo da carreira, além de terem garantidas a progressão e promoção na carreira. Para o professor em fase final de carreira, estará assegurado o valor global da sua remuneração para cálculo da futura aposentadoria.