Você está em:
IMPRIMIR

Transferência de fábrica da Petrobras para Bahia recebe críticas

24 de março de 2011

O presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputado Dinis Pinheiro (PSDB), afirmou nesta quarta-feira (23/3/11), após encontro com o presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, na Cidade Administrativa, que lamenta a decisão da empresa de não garantir a instalação em Minas Gerais de uma fábrica de ácido acrílico. “Minas foi relegada ao segundo plano. Minha tristeza é dupla, por Minas e por Ibirité, minha cidade, onde seria instalada a fábrica”, afirmou.

 

Dinis Pinheiro relembrou que há cinco anos a Petrobras assinou um protocolo de intenções, no Palácio da Liberdade, durante o Governo Aécio Neves, para que fossem realizados investimentos em Minas Gerais, sendo que a construção da fábrica em Ibirité estava orçada em R$ 600 milhões. “É lamentável que a empresa tenha anunciado os investimentos para Minas e agora resolva transferir a fábrica para a Bahia”, disse, ressaltando ainda que tratou com Gabrielli do descaso da empresa com a Lagoa da Petrobrás, que se encontra totalmente poluída.

 

Em 12 de abril de 2005, durante reunião da Comissão do Trabalho, da Previdência e Ação Social da Assembleia, representantes da Petrobras afirmaram a nove deputados que a empresa pretendia investir R$ 2,7 bilhões em Minas até 2011. Um terço desse dinheiro iria para a construção de uma planta petroquímica em Ibirité, que os técnicos preferiram chamar de complexo acrílico. O restante seria gasto na modernização da Refinaria Gabriel Passos, em Betim, com novas instalações para produção de óleo diesel e gastos expressivos para melhorar a qualidade dos combustíveis. As obras seriam iniciadas em 2006 e o começo das operações estava previsto para 2010.

 

Participaram da reunião em 2005 Silvestre de Vasconcelos Calmon, gerente-geral da Petrobras, e os técnicos Ricardo Cestari e Dora Oliveira, que expuseram o projeto para os derivados do ácido acrílico, que seriam principalmente as resinas para tintas e adesivos e os polímeros super-absorventes para fraldas descartáveis. À época, o deputado Rogério Correia (PT), cujo requerimento motivou a reunião, comemorou a iniciativa como “o maior empreendimento recente em Minas”, e previu que marcaria o início de um novo tempo para a população de Ibirité.

 

Fonte: Ascom/ALMG