Você está em:
IMPRIMIR

PT, de Dilma Rousseff, e centrais sindicais defendem censura à imprensa

24 de setembro de 2010

Disfarçada atrás de centrais sindicais e lideranças do seu partido, o PT, a candidata oficial Dilma Rousseff, apoiou ato realizado nesta quinta-feira contra a liberdade de expressão e de opinião. Os ataques desferidos à imprensa livre e democrática por parte do governo Lula se intensificaram após denúncias de corrupção na Casa Civil, desde quando Dilma era a Chefe.

Diante das críticas, os petistas tentaram dar conotação apartidária ao evento, justificativa que não resistiu à verdade. Não deu para esconder a organização feita pela CUT (Central Única dos Trabalhadores), CGTB (Central Geral dos Trabalhadores do Brasil), CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra) e UNE (União Nacional dos Estudantes), entidades ligadas ao PT, sendo algumas patrocinadas pelo partido. Segundo a Folha de S. Paulo, os convites para o ato também foram todos divulgados e enviados pelos patrocinadores de Dilma Rousseff.

Abaixo a ditadura

A senadora Marisa Serrano (MS) denominou o movimento contra a liberdade de imprensa de “uma insensatez que assombra aqueles que acreditam na democracia e que lutaram contra a ditadura”. A senadora criticou as investidas do presidente Lula contra veículos de comunicação, que denunciaram o esquema de corrupção na Casa Civil, além de outros crimes como a quebra de sigilos fiscais de pessoas ligadas ao PSDB, aparelhamento de estatais, balcões de negócios familiares e influência indevida em agências reguladoras.

Para Serrano, o cerceamento à liberdade de imprensa representa o projeto de poder dos petistas. Como lembrou a senadora, o ex-ministro e deputado cassado José Dirceu declarou a militantes petistas, em evento na Bahia, que a vitória da candidata Dilma Rousseff nas eleições facilitará o projeto político do partido, que inclui o controle dos meios de informação.

Serrano também lamenta que a militância do PT chame a imprensa que faz críticas de “mídia golpista”. “Golpistas são aqueles que querem criar uma cortina de fumaça contra as malfeitorias da Casa Civil e dos Correios, que desejam de todas as maneiras ir contra o debate democrático, que querem infantilizar a sociedade brasileira, afirmando que o povo não tem discernimento para julgar o que os seus olhos estão vendo e seus ouvidos estão escutando”, condenou.

Nessa quarta-feira, juristas brasileiros realizaram no Largo de São Francisco, em São Paulo, o Manifesto em Defesa da Democracia, com críticas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.  Coube ao jurista Hélio Bicudo, fundador do PT, a leitura do manifesto. “Na certeza da impunidade (Lula), já não se preocupa mais nem mesmo em valorizar a honestidade. É constrangedor que o presidente não entenda que o seu cargo deve ser exercido em sua plenitude nas 24 horas do dia”, disse o documento.

Fonte: Agência Tucana