Você está em:
IMPRIMIR

Para tucanos, candidatura de Serra é o fim da divisão do Brasil

16 de junho de 2010

A formalização da candidatura de José Serra à Presidência da República representa o primeiro passo para colocar um fim na divisão do Brasil entre ricos e pobres, insuflada pelo governo petista. A avaliação é dos deputados federais Rodrigo de Castro (PSDB/MG) e Antonio Carlos Pannunzio (PSDB/SP).

Serra foi confirmado como candidato a presidente na convenção nacional do PSDB, no sábado, na cidade de Salvador (BA). O evento realizado no Clube Espanhol contou com a participação de políticos e militantes tucanos e de partidos aliados (DEM, PPS).

Para Rodrigo de Castro, chegou o momento de fazer do Brasil um País igualitário e justo, sem distinção de classe econômica, raça ou sexo. “A divisão pregada pelo governo não pode continuar. Vamos à luta por um país justo, unido, sem distinção”, disse.

“Foi uma convenção maravilhosa. O PSDB começa a eleição com o melhor candidato, a melhor proposta e uma militância aguerrida e disposta a se empenhar na vitória pelo Brasil. Com certeza, estamos no caminho certo, de um Brasil melhor”, acrescentou o deputado.

Pannunzio também comemorou a convenção. “(A convenção) Foi uma união em torno de princípios fortes. Lembrava muito a convenção de 1994, quando elegemos o presidente Fernando Henrique Cardoso”, recordou.

Pannunzio destacou a experiência do candidato tucano. “O Serra é ousado, tem visão de mundo. Ele enxerga à frente, sabe onde podemos chegar”, disse. O parlamentar alertou, no entanto, que a eleição será “duríssima”, porque o governo infringe a legislação eleitoral e “zomba da lei”. No lado tucano, ao contrário, “somos a favor da democracia”.

Participaram da convenção como oradores o candidato a governador Paulo Souto (BA), o senador Sérgio Guerra (PE), presidente nacional do PSDB, e o ex-governador Aécio Neves (MG), além de ter sido exibido um vídeo com mensagem do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.


F
onte: Agência Tucana