Você está em:
IMPRIMIR

Minas Gerais se desenvolve e atrai investimentos em tecnologia de ponta

22 de julho de 2010

Minas Gerais é o destino de investimentos importantes de empresas multinacionais de tecnologia. Nesta semana, duas das maiores empresas do mundo, a Philips e GE Healthcare, confirmaram investimentos que somam R$ 91,5 milhões no Estado, com a criação de 785 empregos. Na quarta-feira, dia 21, a Phillips do Brasil assinou com o Governo de Minas protocolo de intenções para diversificação de produtos com a implantação de uma linha de produção e comercialização de telefone sem fio, em Varginha, Sul do Estado.

Com previsão de implantação ainda este ano, a Philips pretende investir R$ 6,2 milhões e gerar 35 empregos diretos. O faturamento previsto da nova unidade é da ordem de R$ 40 milhões em 2011 e de R$ 45 milhões a partir de 2012.

Com sede na Holanda, a unidade da Philips em Lagoa Santa produz reatores, enquanto em Varginha são fabricados desde barbeadores, depiladores, aparelhos portáteis para entretenimento, cafeteira, batedeira, espremedor até aparelhos com foco em cuidados com a saúde bucal, iluminação e eletroeletrônicos.

 

GE Healthcare

Nos segmentos de equipamentos de ponta na área médica, a GE Healthcare, empresa do grupo GE, inaugurou na quarta-feira, dia 21, em Contagem, a sua primeira fábrica no Brasil e da América do Sul. O investimento é de US$ 50 milhões (R$ 91,5 milhões em valores atuais), ao longo de dez anos. O empreendimento representa a criação de 750 empregos diretos e indiretos até 2015.

Com a unidade em Minas, a GE Healthcare, pretende produzir equipamentos com custos mais acessíveis, além de tornar-se pólo exportador para a América Latina. A nova fábrica será destinada inicialmente à produção de equipamentos de Raios X e mamografias, além da linha de recondicionamento. Para 2011 já está programada expansão para outras linhas, como tomografia computadorizada, ressonância magnética e sistemas de monitoração.

 

Investimentos recordes em Minas

Apenas no primeiro semestre do ano, foram anunciados em Minas Gerais investimentos privados de R$ 38,43 bilhões, distribuídos por diversas cadeias produtivas, gerando 37 mil empregos diretos e mais de 95 mil empregos indiretos, segundo o Instituto de Desenvolvimento Integrado (INDI), ligado à Secretaria de Estado de  Desenvolvimento Econômico

Os números mostram que a economia mineira iniciou 2010 em franco processo de recuperação, superados os efeitos da crise financeira que abalou os mercados mundiais a partir de setembro de 2008. O volume de investimentos privados atraídos em 2009 alcançou R$ 15,42 bilhões com a geração de 30 mil empregos diretos e mais de 45 mil empregos indiretos. Em 2008, esses investimentos somaram R$ 25,62 bilhões.

O ano de 2010 começou, no Brasil e em Minas Gerais, como o ano da retomada do crescimento econômico, e os resultados do primeiro trimestre comprovam isso. O PIB de Minas Gerais, segundo a Fundação João Pinheiro, apresentou crescimento de 12,2% com relação ao mesmo período do ano passado, contra um crescimento de 9% do PIB nacional.

 

Geração de Empregos

A retomada de investimentos também se refletiu na geração de empregos. De acordo com os últimos dados Ministério do Trabalho e Emprego, Minas Gerais atingiu o segundo melhor resultado na criação de novas vagas no País no primeiro semestre de 2010, com um crescimento de 6,64%, o que representou a criação de 232.572 postos formais. 

O levantamento mostra que em números de vagas criadas, Minas atingiu o seu melhor desempenho em toda a série histórica do Caged ( cadastro de emprego do Ministério do Trabalho) no primeiro semestre e o segundo melhor tanto na Região Sudeste quanto no País. Nos últimos 12 meses, o crescimento do nível de emprego no Estado foi de 6,95%, com mais 242.734 postos de trabalho. Apenas em junho deste ano foram criadas 38.870 vagas, o que representa um aumento de 1,05%, em relação ao mês de maio.


Crescimento no interior do Estado

Os resultados positivos foram observados também no interior de Minas, onde a alta foi de 8,07% no primeiro semestre de 2010, com mais 172.376 postos. Já na Região Metropolitana, o destaque foi Belo Horizonte com um aumento de 4,41%, ou mais 60.196 postos. Entre os setores que mais se destacaram na criação de postos de trabalhos estão a Agropecuária, com mais 21.839 postos; Serviços, (+6.727 postos); Indústria de Transformação (+4.560 postos); Comércio (+3.016 postos) e Construção Civil (+2.255 postos).

O desempenho da geração de empregos é mais um fator que, aliado à credibilidade institucional, à gestão eficiente, transparência e parcerias com diversos setores da sociedade têm ampliado o interesse de grupos privados de investir em Minas.