Você está em:
IMPRIMIR

Minas Gerais fornece vacina contra Meningite para o Ministério da Saúde

5 de agosto de 2010

Minas Gerais está fornecendo vacina contra a meningite meningocócica C para todo o Brasil. Até o final deste ano, 8 milhões de doses serão entregues ao Ministério da Saúde, que começa,  ainda em agosto, a distribuir o medicamento para todos os estados brasileiros. O fornecimento da vacina está sendo feito pela Fundação Ezequiel Dias (Funed), um dos quatro maiores laboratórios públicos do país, integrante do sistema de saúde do Estado.

Por decisão do ex-governador Aécio Neves, o Governo de Minas adquiriu a tecnologia de produção da vacina da indústria farmacêutica suíça Novartis Vacinas e Diagnósticos, a um custo de R$ 40 milhões. Nenhum outro laboratório brasileiro detém essa tecnologia. Para ampliar a capacidade de atendimento, a Funed está concluindo a instalação de uma nova fábrica, localizada no bairro Gameleira. Com a entrada em operação da unidade, prevista para o segundo semestre de 2011, Minas Gerais ampliará o fornecimento de vacinas para o Ministério da Saúde, para 12 milhões de doses anuais.

 

Pioneirismo

Além de fornecer a vacina para o Ministério da Saúde, Minas foi pioneira na vacinação gratuita da meningite meningocócica C. No ano passado, também por decisão do ex-governador Aécio Neves, o Estado foi o primeiro a realizar campanha de vacinação em massa contra a doença. O objetivo foi imunizar 540 mil crianças menores de dois anos que vivem no Estado, já que a população dessa faixa etária está entre as mais vulneráveis à meningite.

Os resultados positivos da campanha já são visíveis. Segundos dados do Ministério da Saúde, os números de morte por meningite provocada pela doença caíram 26,5% no primeiro semestre deste ano, quando foram registrados 47 casos, em relação ao mesmo período do ano passado, em que ocorreram 64 óbitos.

A partir deste ano, a vacina entrou na rotina das unidades públicas de saúde do Estado. Para receber uma dose gratuita, basta levar as crianças menores de dois anos a um posto de saúde. Nos demais estados brasileiros, a vacina ainda é paga.