Você está em:
IMPRIMIR

Fábrica de calçados abre novas oportunidades e leva mais desenvolvimento para moradores do Norte de Minas

13 de maio de 2011

A chegada da empresa Marluvas, fabricante de calçados de segurança, que será inaugurada neste sábado (14/05), com a presença do governador Antonio Anastasia, está mudando a vida de boa parte dos quase 15 mil habitantes de Capitão Enéas, no Norte de Minas, uma das regiões de menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Estado.

 

A empresa está implantando o primeiro turno de trabalho, que contará com 400 funcionários. Futuramente, quando estiver operando em plena capacidade, a fábrica deverá contar com 1,2 mil empregados. Para o município, a instalação da fábrica representará um aumento de R$ 300 mil mensais, na arrecadação de impostos.

 

A implantação da nova fábrica da Marluvas é resultado do esforço que o Governo de Minas vem fazendo para atrair investimentos privados para o interior do Estado, e assim promover o desenvolvimento regional. Para a viabilização do empreendimento, o Estado repassou R$ 2 milhões ao município de Capitão Enéas, destinados à melhoria da infraestrutura da cidade.

 

Vida Nova

 

A ex-dona de casa Maria Raimunda Lima, 58 anos, casa, mãe de três jovens, é exemplo das mudanças que vêm ocorrendo no mercado de trabalho do Norte de Minas. Até ser contratada, no início deste mês, pela Marluvas, Maria Raimunda não tinha sequer carteira de trabalho. Esta é a primeira oportunidade de trabalho formal que teve, em toda a sua vida.

 

“Tenho mais é que agradecer a Deus a oportunidade com a qual sonhava há muito tempo. Assim como eu, antes da iniciativa do Governo do Estado e da prefeitura de trazer a empresa para a cidade, eu não tinha nenhuma perspectiva de uma vida melhor. Agora, só temos que nos esforçar para que a empresa tenha sucesso e assegure oportunidades de trabalho para muitas pessoas”, conta.

 

Trinta e cinco anos mais jovem que dona Maria Raimunda, o ex-trabalhador rural e ajudante de pedreiro, Raimundo Soares, 19 anos, também vê na Marluvas uma chance de futuro melhor. Contratado para a função de sapateiro, o rapaz, que já concluiu o ensino médio, planeja organizar a vida e investir parte do salário num curso técnico de informática ou de segurança do trabalho.

 

“A chegada da Marluvas em Capitão Enéas traz uma oportunidade de crescimento para os jovens, uma vez que, até então, não tínhamos outras possibilidades. Agora podemos sonhar com outros caminhos”, diz Raimundo Soares.

 

Novos negócios

 

A atuação do Governo no Estado, com investimentos em melhorias de infraestrutura, foi fundamental na escolha por Capitão Enéas, pela Marluvas, segundo o prefeito Reinaldo Teixeira.

 

“A iniciativa do Governo do Estado em investir na interiorização do desenvolvimento vem a calhar com a necessidade dos prefeitos, de pequenos municípios, buscarem alternativas para a geração de emprego e renda para suas populações. No caso específico de Capitão Enéas, localizada a pouco mais de 50 quilômetros de Montes Claros, sofria as duras conseqüências do êxodo da população, em busca de oportunidades. Com a instalação da Marluvas, temos a perspectiva de revertermos a situação, repatriando conterrâneos residentes em grandes centros urbanos”, assinala o prefeito.

 

As negociações para a instalação da fábrica envolveram o compromisso de a empresa contratar pessoas da própria cidade ou região, conforme conta o prefeito de Capitão Enéas. Além da capacitação de 21 pessoas que estão ocupando funções estratégicas na gestão da fábrica, numa ação conjunta do Governo do Estado, prefeitura, Fiemg e da empresa, foi instalado na cidade um centro de formação profissional.

 

“O apoio do Governo do Estado é fator fundamental para a redução das desigualdades econômicas e sociais. A iniciativa mexe com a auto-estima da população e contribui para dar novo ânimo aos pequenos empresários, que passam a vislumbrar e planejar novas perspectivas para seus negócios”, diz o prefeito.

 

Entusiasmado com o momento vivido pela cidade, Reinaldo Teixeira conta que há a expectativa de instalação de uma escola técnica do Senai, para a formação de profissionais de várias áreas.

 

“A prefeitura está em fase adiantada de negociações com dois grupos empresariais interessados na instalação de um curtume e de um frigorífico, com capacidade para abater diariamente entre 120 e 250 bovinos. As negociações envolvem investimentos estimados em R$ 20 milhões, valor que poderá ser financiado BDMG”, adianta Reinaldo Landulfo.

 

Na mesma linha de raciocínio, o gerente da Marluvas em Capitão Enéas, Wanderlan Moreira da Silva, entende que a implantação da empresa na cidade abre novas perspectivas e oportunidades para a profissionalização de jovens e adultos.

 

“Trata-se de uma empresa que investe muito na capacitação dos funcionários. Três dos nossos diretores são oriundos de funções operacionais. Eu mesmo já desempenhei várias atividades, investi nos estudos e, atualmente, ocupo cargo de gerente. A empresa está acreditando no Norte de Minas e, inclusive, já está planejada para expandir a unidade industrial”, afirma o gerente.

 

Aumento de arrecadação

 

Com a instalação da unidade industrial da Marluvas, o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Walter Moreira Abreu, estima que nos próximos quatro anos a receita da Prefeitura de Capitão Enéas terá incremento de R$ 14,4 milhões, por meio do aumento da arrecadação de impostos.

 

“Com a chegada da empresa, pagamento de salários do funcionalismo público e da Rima Industrial, que gera 450 empregos diretos no município, prevemos que a economia local passará a movimentar, mensalmente, cerca de R$ 2 milhões. Para um município que tem orçamento anual de R$ 20 milhões, o aumento mensal da receita em R$ 300 mil será bastante significativo”, prevê o secretário.

 

Walter Abreu lembra que até pouco tempo dizia-se que o fato do município de Capitão Enéas estar localizado muito próximo a Montes Claros era uma grande desvantagem, porque o comércio local não prosperava.

 

“Agora, a partir de um planejamento estratégico visando atrairmos novos empreendimentos para a cidade, a localização próxima a um grande centro urbano e econômico torna-se uma vantagem competitiva importante. Estamos ao lado do segundo entroncamento rodoviário do país, e temos como opção o transporte ferroviário, sistema de comunicação eficiente, aeroporto próximo. Além disso, contamos com incentivos financeiros e fiscais por estarmos inseridos na área de atuação da Sudene”, explica o secretário.

 

Novas oportunidades

 

Proprietária da “Butique Padaria”, a administradora de empresas Gisele Rodrigues Rocha também está otimista com a interiorização do desenvolvimento do Estado. Ela já planeja investir na ampliação da padaria.

 

“Em 2008, abri a empresa uma vez que, depois da conclusão do curso superior, não via perspectiva de encontrar emprego. Hoje não tenho nada a reclamar em relação à decisão tomada. Com a chegada da Marluvas na cidade, a tendência é do comércio local melhorar, gerando mais empregos e renda”, comemora a jovem empresária.

 

A psicóloga Maluanna Batista Guerra, 24 anos, também está vislumbrando novos horizontes. Em 2010, logo após concluir o curso superior numa faculdade particular de Montes Claros, a psicóloga foi contratada para trabalhar no departamento de recursos humanos da Marluvas. Diante do bom desempenho em treinamento realizado durante cinco meses na sede da empresa, Maluanna assumiu a coordenação do trabalho de seleção dos 400 primeiros contratados.

 

“Tem sido uma experiência inesquecível, principalmente pelo fato de que estava concluindo o curso superior sem nenhuma perspectiva de trabalho. A oportunidade que estou tendo ainda se constitui num sonho para a grande maioria dos jovens que saem da faculdade e procuram emprego nas áreas em que formaram”, comemora Maluanna Guerra.

 

Repatriamento

 

A chegada da Marluvas em Capitão Enéas também está possibilitando o repatriamento de trabalhadores que saíram da cidade por falta de oportunidades de trabalho. É o caso do supervisor em manutenção, Harlen de Souza. “Depois de dois anos morando em outras cidades estou retornando para a terra natal. Estou feliz porque, como sou casado, volto para a convivência da família, além de ter a possibilidade de crescer profissionalmente.”

 

A ex-agente comunitária de saúde, Elen Fernanda de Oliveira, 27 anos, destaca que a instalação da Marluvas em Capitão Enéas traz benefícios tanto para o desenvolvimento da cidade quanto para a população em geral. “Antes, pelo fato de ter trabalhado sete anos como funcionária contratada pela prefeitura, não tinha estabilidade no emprego e, muito menos, direitos trabalhistas. Agora, trabalhando como costureira e com carteira de trabalho assinada, tenho a oportunidade de ajudar meu marido a melhorar a qualidade de vida da família”, conclui.

 

Fonte: Agência Minas