Você está em:
IMPRIMIR

BH e Região Metropolitana ganham reforço de soldados da PM para policiamento

30 de julho de 2010

O policiamento de Belo Horizonte e da Região Metropolitana ganhou hoje mais 1.300 homens que atuarão no combate à criminalidade. Na manhã desta sexta-feira, dia 30, eles receberam o diploma de formatura de Curso Técnico de Segurança Pública em solenidade no Mineirinho com a presença do governador Antonio Anastasia e da secretária de Estado de Planejamento, Renata Vilhena, escolhida como paraninfa da turma. Os novos soldados trabalharão em 17 batalhões da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

“São mais 1.300 policiais militares para segurança dos mineiros na capital e Região Metropolitana. Quando nosso governo começou, em 2003, a Polícia Militar tinha cerca de 36 mil efetivos. Hoje já são 45 mil. Um acréscimo muito expressivo de quase 10 mil policiais militares”, afirmou o governador.

Antonio Anastasia destacou que a Polícia Militar de Minas é modelo de eficiência e disciplina e tem o reconhecimento das autoridades e de especialistas em segurança pública em todo o país.

“A Polícia Militar de Minas é um modelo nacional de ética, de responsabilidade, disciplina e da ordem. Fico muito honrado e orgulhoso por presidir, como governador do Estado, essa cerimônia, na qual colocamos mais 1.300 excelentes praças, soldados, para trabalhar a favor da segurança pública em Minas Gerais”, disse.

 

Mais segurança no interior

Antonio Anastasia afirmou que, reeleito, intensificará as ações de segurança no interior e em áreas rurais. O Governo de Minas já está levando ao interior as Áreas Integradas de Segurança, responsáveis pelo planejamento e integração das ações das polícias. Também investiu no programa Cinturão de Segurança, levando mais policiais e viaturas aos municípios das fronteiras para inibir o crime organizado e combater a violência.

“Ainda falta muito, é claro. Sabemos das necessidades, especialmente de uma presença maior no interior do Estado e na zona rural. É interessante observar que houve uma queda dos índices de criminalidade nas cidades maiores, nas cidades médias, mas temos ainda indicadores que nos preocupam especialmente na zona rural. Estamos preparando, agora, um programa muito vigoroso de segurança pública no campo”, afirmou o governador.

A interiorização das ações de segurança será uma das principais propostas apresentadas aos eleitores no plano de governo de Antonio Anastasia coordenado pelo professor e sociólogo Claudio Beato, um dos mais importantes e reconhecidos especialistas do país na área de segurança pública.


Queda da criminalidade

Segurança pública tem sido prioridade do Governo de Minas nos últimos oito anos. Por determinação do então governador Aécio Neves e sob o comando de Antonio Anastasia, que na época ocupava o cargo de Secretário de Defesa Social, Minas foi o primeiro estado no Brasil a integrar as ações das Polícias Civil e Militar. A medida inédita permitiu a implantação de um modelo inovador de segurança que resultou numa redução histórica dos indicadores de criminalidade violenta: 45,2% em todas as regiões de Minas, segundo dados do Núcleo de Estudos em Segurança Pública da Fundação João Pinheiro.

Desde 2005, Minas apresenta queda nos índices de crimes violentos, revertendo um ciclo até então em todo país, de crescimento da violência. Em sete anos, a segurança pública recebeu R$ 27 bilhões de recursos do Estado. Apenas no sistema prisional, o Governo de Minas quadruplicou o número de vagas, chegando a 26 mil. Para os próximos anos, somente no complexo penitenciário que será construído por meio de Parceria Público-Privada, estão previstas mais 3,2 mil vagas ao sistema prisional mineiro.

O efetivo policial em Minas registrou crescimento de 25%, passando de 49.400, em 2003, para quase 61 mil policiais, em 2009. Em 2002, apenas a Polícia Militar contava com efetivo de 36.539 homens e mulheres. Em 2009, esse número saltou para 45.843, um aumento de quase 10 mil homens. 

O Governo de Minas promoveu também recuperação histórica nos salários dos servidores da área de segurança pública, com ganhos importantes não só na remuneração, mas na progressão da carreira e também nas condições de trabalho. O salário do soldado de primeira classe (como os recém-formados) era de R$ 1.000,00, em 2003, e passou para R$ 2.041,74, este ano.

 

Ouça
Entrevista do governador Antonio Anastasia


Leia também

Transcrição da entrevista do governador Antonio Anastasia