Você está em:
IMPRIMIR

Antonio Anastasia alerta que o combate às drogas é o maior desafio para a humanidade na atualidade

22 de julho de 2010

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição pela Coligação “Somos Minas Gerais” afirmou, nesta quinta-feira, dia 22, em Belo Horizonte, que os efeitos do tráfico e do consumo de drogas, em especial do crack, será o maior desafio a ser enfrentado pela humanidade nos próximos anos. Ele também destacou que o Governo do Estado possui programas e ações de prevenção e combate às drogas que são referência no País, como o Fica Vivo!, o “Juventude e Polícia” e o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd), iniciativa da Polícia Militar de Minas Gerais, que já atendeu 1,7 milhão de jovens em 394 municípios mineiros.

Dados do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas, da Escola Paulista de Medicina, apontam que 12% da população brasileira precisam de atendimento em função de dependência.

“Esse tema é uma das questões mais importantes que a sociedade brasileira está enfrentando e vai enfrentar ainda mais nos próximos anos. Minas Gerais tem, já, um projeto pioneiro, considerado modelo pelos outros estados, mas é claro que temos que avançar mais. E só há uma solução para essa questão terapêutica, que é exatamente a parceria com as entidades da sociedade civil. Nós já temos parceria com muitas entidades em Minas. Nosso programa de governo vai contemplar de maneira muito efetiva essas parcerias para conseguirmos recuperar cada vez mais essa questão das pessoas que têm dependência química, com as drogas”, disse Antonio Anastasia, durante ato, no Comitê Central de sua campanha, onde recebeu o apoio das 80 principais entidades sociais do Estado que prestam atendimento a dependentes químicos e familiares.

Minas também é o único estado brasileiro que possui uma Subsecretaria Antidrogas, criada em 2005 e que já atendeu diretamente 40 mil pessoas. O Governo do Estado já investiu R$ 70 milhões nas suas políticas antidrogas. “Não existe nenhuma estrutura similar no Brasil”, destacou o subsecretário Antidrogas, Clóvis Benevides. Ele frisou que Minas age praticamente sozinha. “O investimento de público no Governo Federal nas políticas do Estado é zero. Todo o dinheiro nas instituições parceiras, campanhas de prevenção e capacitação são exclusivos do Tesouro do Estadual”, afirmou.

 

Programas mineiros são referência

O Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd) é um dos mais bem sucedidos programas de prevenção à drogas do  País. Com caráter social preventivo, o programa assiste anualmente 4.000 escolas públicas e particulares, oferecendo cursos que previnem o envolvimento dos jovens com as drogas por meio de métodos interativos como dramatização, discussão, reforço e as vivências em grupo.

Atualmente, o programa possui currículos que se destinam a crianças que estejam cursando a educação infantil e anos iniciais, a jovens do 5º e 7º Anos do Ensino Fundamental, como também a adultos da comunidade escolar em geral. 

O Proerd é a versão brasileira do programa Drug Abuse Resistence Education (Dare), implantado inicialmente nos Estados Unidos e desenvolvido em mais de 40 países. A iniciativa é considerada pelas Organizações das Nações Unidas (ONU) como um dos maiores programas de prevenção ao uso das drogas e contra a violência do mundo.

 

Fica Vivo!

Outro programa de prevenção criado pelo Governo de Minas é o Fica Vivo!, considerado referência internacional no atendimento a jovens moradores de áreas de risco. O programa já atendeu 15.200 jovens, entre 12 e 24 anos, moradores de áreas com alto índice de homicídio de Belo Horizonte e cidades-pólo de todo o Estado.

Na mesma linha, o Governo do Estado desenvolve também o Juventude e Polícia, criado em 2004 pela Polícia Militar, em parceria com o Grupo Cultural AfroReggae e o Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC). Por meio dele, foi adotado o modelo de intervenção cultural em comunidades de grande incidência de crimes violentos usado pelo AfroReggae, há 15 anos, nas favelas do Rio de Janeiro. A grande ousadia do modelo desenvolvido em Minas foi a integração da Polícia Militar como principal agente na formação cultural de jovens moradores das áreas de maior risco social. 

“Também temos de avançar nos programas de prevenção, especialmente aquele que é feito hoje no Estado, que é o Proerd, feito pela Polícia Militar no âmbito das escolas, para o mais importante que é evitar e prevenir. Mas por ventura naqueles onde a prevenção não pôde funcionar, nós vamos aumentar ainda mais esses convênios e parcerias para os tratamentos, onde a sociedade civil tem um papel importante”, disse o governador Antonio Anastasia.

 

Apoio e reconhecimento

Os representantes das 80 principais entidades sociais de atendimento a dependentes químicos entregaram um manifesto em defesa da manutenção das políticas antidrogas implementadas na gestão de Antonio Anastasia e do ex-governador Aécio Neves, candidato ao Senado, que se tornaram referência nacional. 

“Sob a liderança de Aécio avançamos. E, como uma orquestra afinada, o professor Antonio Anastasia contribuiu com excelência e harmonia na construção das políticas públicas sobre drogas em Minas”, diz o manifesto.

O documento ressalta ainda outras ações adotadas pelo Governo de Minas como o Programa Papo Legal, destinado ao público infanto-juvenil, o Projeto Apoio à Vida, que desde 2006 já encaminhou mais de 2.000 dependentes químicos que viviam no entorno de aglomerados para comunidades terapêuticas, a realização de cursos de capacitação de coordenadores, oficinas e conferências sobre o tema.

“Fico muito satisfeito, porque essas entidades são importantíssimas. Elas acabam tendo reconhecimento do trabalho realizado e mais do que isso, a confiança de que somos os candidatos que temos condições de dar o prosseguimento efetivo dessa questão tão importante para a sociedade mineira e brasileira”, disse o governador Antonio Anastasia.

 

Dignidade

O candidato à reeleição recebeu o manifesto de apoio das mãos de Iris Campos, presidente da Associação Mineira de Comunidades Terapêutica e Instituições Afins, que conta com 148 entidades filiadas.  “Eles nos deram dignidade e queremos a continuidade”, defendeu Iris, que também preside o Núcleo Reviver, em Barão de Cocais (região Central).

Marco Antônio dos Santos, coordenador da Comunidade Reviver, em Jabuticatubas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), também foi agradecer a atenção do governador ao problema que não tem idade.

“O jovem é o mais afetado, mas também há crianças, adolescentes e até dependentes. Costumamos brincar que existe dois momentos para as comunidades terapêuticas: antes e depois do Governo Aécio. Estamos lutando pela continuação política porque foi este governo que nos proporcionou avançar”,  contou.

Ouça
Entrevista do governador Antonio Anastasia

Leia mais
Transcrição da entrevista do governador Antonio Anastasia


Confira

Galeria de fotos