Você está em:
IMPRIMIR

“Tesourada” do Planalto atinge estados administrados pelo PSDB

1 de março de 2011

Minas Gerais,  São Paulo e Roraima, todos administrados por governadores do PSDB, foram os mais afetados pelo corte histórico de emendas parlamentares anunciado pelo governo Dilma Rousseff, do PT/PMDB. Os números são da ONG Contas Abertas.

 

Alertas, parlamentares do partido receberam a notícia com a desconfiança do que pode representar uma retaliação política, e chamaram a atenção para os prejuízos que a população daqueles estados terá com a “tesourada” do petista-pemedebista de R$ 1,8 bilhão.

 

Já os 10 estados governados pela oposição perderam R$ 739,6 milhões em emendas. Enquanto que restantes 17 unidades da federação  perderam R$ 1 bilhão.

 

O líder da Minoria na Câmara, deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB/MG), ficou surpreso com o que classificou de “desprezo”, e lembrou que durante a campanha eleitoral de 2010  Rousseff fez questão de usar o fato de ter nascido em Minas para alavancar sua candidatura. População que agora ele prejudica.

 

De acordo com o parlamentar, é uma atitude que se assemelha muito com aquela usada por seu antecessor. No governo Lula, MG também foi prejudicada e teve, ao longo de oito anos, inúmeras iniciativas não concluídas por causa dos contingenciamentos do Planalto.

 

“Os cortes em Minas são uma demonstração da falta de apreço com os mineiros e também uma prova de que Dilma usou a ‘figura de mineira’ na campanha de forma apenas oportunista”, condena.

 

Para Minas Gerais, as emendas vetadas chegam a R$ 189,2 milhões. Segundo o deputado Carlaile Pedrosa (PSDB/MG), são recursos que farão muita falta para a população. “É um absurdo esses cortes estarem acontecendo. Ficamos muito tristes, pois Minas está sempre sendo deixada de lado. Esses projetos não podem parar e teremos que trabalhar muito para recuperar verbas e fazê-los funcionar”, lamentou o parlamentar.

 

Roraima

 

Em Roraima entre os principais projetos que perderam recursos estão a manutenção de 720 km da BR-174, a manutenção de trecho rodoviário em Boa Vista, fronteira do Brasil com a Guiana, na BR-401, e a melhoria das condições socioeconômicas das famílias. A tesourada nos projetos que seriam desenvolvidos no estado administrado por Anchieta Junior somam, ao todo, R$ 185,6 milhões. “Coincidência ou não são todos estados administrados por tucanos. Espero que isso não seja retaliação”, destacou Carlaile.

 

São Paulo

 

Projeto de inovação tecnológica e a culturais estão entre as áreas mais afetadas. Para o deputado Alberto Mourão (SP), é preciso acompanhar e conhecer bem os motivos que levaram a presidente a realizar os cortes que somam R$ 115,5 milhões. “Espero que isso não tenha obedecido um critério político. Fazer cortes levando em consideração a bandeira partidária de um estado é grave”, alertou.

 

Ao todo, os 10 estados governados pela oposição perderam R$ 739,6 milhões em emendas o que, proporcionalmente, representa cortes de R$ 74 milhões para cada um. Por outro lado, as 17 unidades da federação restantes perderam R$ 1 bilhão, fazendo com que a média seja bem menor: de R$ 59,8 milhões para cada um, segundo o “Contas Abertas”. 

 

Fonte: Diário Tucano/PSDBMG