Você está em:
IMPRIMIR

Caio Narcio: “PSDB queria reduzir impostos na cesta básica em 2012 e Dilma não deixou”

22 de fevereiro de 2013

Artigo de Caio Narcio, presidente da Juventude do PSDB em Minas Gerais

 

O presidente da JPSDB-MG, Caio Narcio

É tudo tão absurdo, mas que de fato aconteceu.

No ano passado, o governo federal perdeu uma grande oportunidade de garantir menos gastos para a maioria das famílias brasileiras. Bastava sancionar a proposta do PSDB que estabelecia o imposto zero para carne, leite, arroz, feijão, batata, farinha, tomate, banana, pão, café, óleo, açúcar e manteiga. Mas o que ele fez? Vetou. Disse não e virou às costas para o que seria a redução do custo da cesta básica nacional.

Cinco meses se passaram do veto da presidente e ela, como se todo mundo não se lembrasse, resolveu anunciar que o governo “estuda” a desoneração total dos tributos da cesta básica. Como bem disse o presidente do PSDB, o deputado Sérgio Guerra: “ só a falta de rumo explica o anúncio de que vai desonerar a cesta básica depois de ter vetado a proposta do PSDB sem qualquer justificativa.”

Eu sugiro que a presidenta Dilma fique mais sintonizada com políticas que realmente atendem aos interesses da população. Vale lembrar: em Minas Gerais, o então governador Aécio Neves, já havia reduzido os ICMS de vários produtos da cesta básica. “Feijão em Minas Gerais tem zero de ICMS, leite tem zero de ICMS, farinha de mandioca tem zero, e vários produtos da cesta básica tiveram o ICMS, o único imposto estadual, essencial à sobrevivência dos estados, reduzidos em pelo menos um terço”, disse o senador Aécio Neves, que defendeu até o último instante a proposta de imposto zero para a cesta básica nacional.

A presidente não apenas ignorou o apelo do senador, mas também ignorou uma pesquisa da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) que mostrava que , se promulgada, a proposta dos tucanos representaria uma economia de 20% sobre o gasto dos brasileiros com a alimentação básica.

Dilma, na verdade, ignorou o povo brasileiro.

 

Fonte: Agência Tucana