Você está em:
IMPRIMIR

Mulher: a luta pelo espaço democrático na sociedade e no interior dos partidos políticos

19 de junho de 2020

Autor: Walewska Abrantes

Tenho dito que mulheres são de causas e são também, indiscutivelmente,  boas comunicadoras, pois desafiam constantemente seus próprios limites.

Em sociedade, a luta começa bem cedo buscando a liberdade sobre o que pensar, vestir, almejar e como nos relacionar, diante de tantas limitações que o mundo nos coloca ou impõe. A história de lutas das mulheres no combate às diferentes formas de opressão tem sido permanente, como um grito de misericórdia que carrega um misto de sentimentos como combustível, tornando a luta de uma, a bandeira de todas.

Na política não é diferente, ou melhor, o desafio ainda é maior. A mulher, na busca por defender suas causas, começou a trilhar espaços nas comunidades e nos partidos políticos. Mas o ambiente nem sempre é acolhedor a todas. Questões culturais e discriminatórias, porque não dizer machistas, na maior parte das vezes impedem que sejamos ouvidas.

Como mulher é símbolo de luta, o romper das barreiras faz parte do dia a dia. Assim, no prosseguir da história, aos poucos vamos ampliando espaços e ocupando o nosso lugar de direito, a fim de que possamos defender as causas de muitas, especialmente em campanhas contra a violência doméstica, feminicídio, patrimonial e psicológica. Bem como no direito à formação, ao trabalho digno. Afinal de contas,  lugar de mulher é onde ela quiser!

Este ano teremos eleições municipais, em clima totalmente diferente de outros pleitos.  A sociedade clama por mudanças profundas, que lhes proporcionem os direitos constitucionais. A escolha de bons gestores é fundamental para o desenvolvimento de políticas públicas necessárias aos avanços do controle social. Com essa responsabilidade, o PSDB Mulher Nacional, por indicação do segmento nos estados, tem qualificado pré-candidatas para as eleições 2020. Se aprovadas pela população, estarão preparadas para ser gestoras de excelência.

A caminhada da representatividade feminina é longa. É de luta, de resistência e exige muito empenho de todas e todos. E, assim, possamos unidos alcançar a meta global da ONU Mulheres de 50-50, garantindo igualdade de direitos e oportunidades, o que é justo e democrático.

#maismulheresnapolitica #maisjustiçasocial

Walewska Barros Abrantes (Presidente Estadual do PSDB Mulher MG, equilibra diferentes papéis ao longo de sua jornada, entre os quais: mãe, esposa e ativista social. Acredita que o mundo alcançará a harmonia e paz, quando as mulheres ocuparem, de forma paritária com os homens, os espaços de poder e de decisão).