Você está em:
IMPRIMIR

“Minha primeira obrigação é ajudar o Estado e assim continuarei fazendo”, afirma Anastasia

6 de maio de 2019

O senador Antonio Anastasia participou nesse sábado da Convenção Estadual do PSDB de Minas Gerais e voltou a defender a reformulação do partido em todo o País. “O PSDB está nacionalmente em um processo de reformulação. Nós teremos a convenção nacional com o Congresso do partido e discutiremos, inclusive, algumas questões programáticas relativas ao partido. É importante para o partido nós termos um programa, termos princípios”, destacou.

Questionado sobre candidaturas às prefeituras municipais no ano que vem, o senador defendeu que esse ainda não é o momento para essas discussões. “No momento oportuno nós vamos discutir as eleições municipais em todas as cidades. O que eu tenho dito publicamente e não escondo é que eu admiro a administração do prefeito Kalil em Belo Horizonte e acho que ele é um bom prefeito, está bem avaliado. Mas só futuramente o PSDB vai discutir questões eleitorais, não só em Belo Horizonte, mas também nas outras cidades. Hoje o PSDB é o partido, graças também ao empenho do deputado Domingos Sávio, que está deixando a Presidência, com maior número de prefeituras no Estado, prefeitura de cidades importantes. Vamos querer não só mantê-las como também expandir”, afirmou.

Quanto à decisão do partido em se manter ou não na base do governo estadual, Anastasia afirmou que prefere não fazer avaliação e disse que essa é uma decisão que cabe principalmente à bancada estadual do partido. “Eu sou professor, mas estou afastado da Universidade. Então não vou dar nota a ninguém”, brincou. “Tenho respeito pelo governador do Estado e cordialidade no trato. Ele é governador e eu sou senador por Minas Gerais. A minha primeira obrigação é ajudar o Estado e assim continuarei fazendo. O PSDB tem uma postura de ajudar naquilo que é o objetivo do Estado. Eu acho que nenhum partido pode se furtar a ajudar na reconstrução de Minas, que hoje atravessa uma crise muito grande. É dentro desse espírito de colaboração que, aliás, sempre foi o meu, independente de qualquer outra manifestação, que nós trabalhamos. Temos de ver onde há convergência e onde há divergência. A minha posição no Senado, que é pública e reiterada, é de apoiar as demandas do Estado naquilo que for necessário para o desenvolvimento de Minas. Acho que essa é a minha obrigação”, finalizou.