Você está em:
IMPRIMIR

Justiça Federal determina extinção da ação contra Pimenta da Veiga por falta de provas

7 de julho de 2017

O candidato a governador pela Coligação Todos por Minas, Pimenta da Veiga, participa na noite desta terça-feira (30/09) de debate entre os candidatos ao Governo do Estado promovido pela TV Globo. Pimenta chegou ao local do evento pouco depois de 21h, acompanhado de assessores e familiares. O debate é realizado na sede da emissora, no bairro Caiçara, em Belo Horizonte.Fotos: Leo Lara

Na decisão, justiça diz que denúncia era genérica e imprecisa; advogado afirma que danos irreparáveis foram causados à imagem do tucano

A Justiça Federal extinguiu por falta de provas a ação penal contra o ex-ministro e ex-deputado federal Pimenta da Veiga. De acordo denúncia do Ministério Público Federal (MPF), Pimenta da Veiga era acusado de lavagem de dinheiro por ter recebido R$ 300 mil das agências SMP&B Comunicação e DNA Propaganda, nas quais eram sócios Marcos Valério de Souza, Cristiano Paz e Ramon Hollerbach.

Ao prestar depoimento, em 2006, Pimenta da Veiga explicou que os recursos recebidos das empresas se referiam a pagamento de serviços prestados pelo escritório de advocacia dele, em 2003. “Os pagamentos eram feitos através de depósitos em conta corrente. Dois anos depois houve uma devassa na vida da empresa e eu prestei todos os esclarecimentos, que foram satisfatórios na época”, afirmou o tucano durante a campanha eleitoral de 2014, quando o Ministério Público Federal ofereceu denúncia contra ele. Candidato ao governo de Minas pelo PSDB, essa denúncia do MP foi amplamente utilizada pelos adversários políticos do tucano durante toda a disputa eleitoral.

Após a decisão da Justiça Federal em extinguir a ação por falta de provas, o advogado de Pimenta da Veiga, Sânzio Nogueira, divulgou nota e esclareceu que “o procedimento jamais poderia sequer ter existido. O trancamento da ação se deu por ausência de elementos mínimos que pudessem subsidiar qualquer acusação. Trata-se de uma vitória tardia, pois danos irreparáveis foram causados à imagem de Pimenta da Veiga. De toda forma, justiça foi feita, e as ilegalidades restaram devidamente reconhecidas pelo Poder Judiciário”, disse o advogado.