Você está em:
IMPRIMIR

Congonhas é apresentada como importante destino turístico durante Congresso em Portugal

10 de junho de 2019

A 1ª edição do Congresso Internacional do Senhor de Matosinhos é a grande novidade do programa das Festas do Senhor de Matosinhos, comemoradas este ano entre 7 e 11 de junho, naquela cidade do Norte de Portugal. Evento com origem equivalente a do Jubileu do Senhor Bom Jesus de Matosinhos de Congonhas, esta possui mais de 6 séculos de história. Para este ano, a estimativa de público é de 840 mil pessoas.  Concebido para celebrar a dispersão do culto do Senhor de Matosinhos, o congresso contará com a participação de especialistas portugueses, espanhóis, peruanos e brasileiros, estes últimos representados por uma comitiva congonhense, formada por Sérgio Rodrigo Reis, diretor do Museu de Congonhas, que discorrerá sobre a importância da instituição museológica da Cidade dos Profetas para a divulgação da devoção ao Senhor de Matosinhos; Ana Alcântara, secretária executiva da Associação das Cidades Históricas de Minas Gerais (ACHMG), que tratará do projeto que deu início à rede das cidades Bom Jesus de Matosinhos no Brasil; e Ângelo Oswaldo, ex-secretário de Cultura de Minas Gerais e ex-prefeito de Ouro Preto, cuja abordagem será a devoções ao Bom Jesus de Matosinhos no Estado.

O Seminário transcorrerá entre esta terça-feira, 11 de junho – feriado municipal dedicado ao Bom Jesus de Matosinhos, na cidade portuguesa –, e a quarta-feira, 14, nos Paços do Conselho Municipal de Matosinhos (equivalente à Câmara de Vereadores no Brasil).

De acordo com Sérgio Rodrigo Reis, “o Congresso do Bom Jesus de Matosinhos é muito importante para a divulgação desta tradição que encontrou em Congonhas a sua maior devoção brasileira. Nós temos em nossa cidade um grande patrimônio, formado a partir da devoção ao Bom Jesus de Matosinhos, no Santuário de mesmo nome, que é o maior entre os dedicados a este culto em terras brasileiras e que guarda a obra magistral de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. O Santuário, localizado aqui em Matosinhos, deu origem ao nosso de Congonhas. Os dois povos agora se unem e difundirem esta devoção e o destino turístico das duas cidades. As festividades são intensas em Matosinhos, como a divulgação de Congonhas, feita pelas autoridades portuguesas na Europa, o que se apresenta como uma oportunidade incrível para dar visibilidade para Congonhas”.

Alguns destes veículos de comunicação são os de maiores audiências em, como o canal de TV SIC, que pode ser acompanhado pela TV por assinatura brasileira, e a rede de rádios TSF. Em entrevista a esta última, Fernando Rocha, vereador da Cultura da Câmara de Matosinhos (o equivalente às prefeituras no Brasil), afirmou que “a imagem do Senhor de Matosinhos existe noutros países desde o século 17, com especial enfoque no Brasil. Este congresso vai andar muito a volta das cidades que têm um fortíssimo culto ao Senhor de Matosinhos, nomeadamente Congonhas, que é Patrimônio da Humanidade, no Estado de Minas Gerais, onde há mais de 30 igrejas que são dedicadas ao culto do Senhor de Matosinhos, fruto naturalmente da imigração do início do século 19 e depois nos anos 20 e 30 do século 20”.

O Congresso apresentará ainda a terceira edição (revista e aumentada) do livro “Senhor de Matosinhos. Lenda. História. Património”, do historiador Joel Cleto. A obra conta agora com um texto do arquiteto Álvaro Siza Vieira, narrando a sua passagem, na década de 1950, pela comissão de festas do Senhor de Matosinhos, e com um desenho original da sua autoria, produzido para o cartaz da romaria, mas então recusado. A capa do livro contará também com um desenho original do arquiteto.

“Sendo, como afirmou o historiador José Hermano Saraiva a propósito da primeira edição, ‘um livro que ensina tudo o que se pode saber sobre o Senhor de Matosinhos’, este volume é, porém, muito mais do que isso – é o espelho em que podemos rever-nos e que nos ajuda a compreender o que somos e o que fomos, mas também o trajeto de fé que transformou o Bom Jesus de Matosinhos em objeto de devoção em terras tão distantes (e recônditas) como Congonhas, Conceição do Mato Dentro, São Miguel do Piracicaba, São João del-Rei, Santo Antônio do Pirapetinga, Jaboatão dos Guararapes ou Terra Nova (onde o Bom Jesus de Bouças se transformou em Bom Jesus de Bolsas)”, escreveu a presidente da Câmara Municipal de Matosinhos no texto que serve de preâmbulo a esta terceira edição.

O Congresso Internacional do Senhor de Matosinhos dever ser realizado alternadamente em Portugal e no Brasil, procurando valorizar o patrimônio e a fé disseminados pela Diáspora portuguesa e dar corpo a um grande movimento transatlântico de preservação da história e da devoção comum ao Bom Jesus.

Confira a programação completa da Festa do Senhor de Matosinhos em: http://www.cm-matosinhos.pt/cmmatosinhos/uploads/writer_file/document/20934/programa_senhor_de_matosinhos_2019.pdf