Você está em:
IMPRIMIR

Com ampliação de oferta, mutirões de oftalmologia atendem a milhares de pessoas em Contagem

9 de outubro de 2017

Nos próximos 30 dias, a superintendência de Regulação vai estruturar as marcações em um só local, no Ceaps

Nos próximos 30 dias, a superintendência de Regulação vai estruturar as marcações em um só local, no Ceaps

selogestaotucanaEm 2017, a Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria de Saúde, ampliou a oferta de exames e consultas especializadas e de agendas de cirurgias, promovendo diversos mutirões para normalizar as demandas reprimidas. Entre os meses de maio e setembro, milhares de pessoas foram beneficiadas, graças à contratação de mais prestadores, reestruturação de escalas, renegociação de contratação e outras iniciativas que contaram com a vontade e o compromisso político da atual administração.

Alguns desses mutirões ocorreram na área de oftalmologia, que contou com a ampliação da oferta de consultas, exames e cirurgias oftalmológicas na rede pública municipal e nos prestadores credenciados.

Mutirão de glaucoma

No primeiro semestre do ano, o mutirão de glaucoma permitiu a avaliação e inclusão de 1.200 usuários que aguardavam na fila de espera. “Desde então, os usuários que precisam de tratamento em glaucoma estão sendo agendados à medida que vão sendo regulados pelo Complexo Regulador (Ceaps). Atualmente, não temos usuários aguardando para iniciar tratamento em Contagem”, afirma Marilene Socorro Altino, superintendente de Regulação.

Mutirões de exames oftalmológicos

E a partir de maio de 2017, teve início o mutirão de vários exames oftalmológicos, que inclui procedimentos como mapeamento de retina, angiografia fluorescente, retinografia colorida, topografia computadorizada de córnea e campo visual computadorizado, entre outros.

Mutirões de cirurgias oftalmológicas

Já a partir de julho de 2017, foi a vez de ter início o mutirão de cirurgias, que inclui procedimentos como cirurgia de catarata, exérese de pterígio, trabulectomia, exérese de calázio e correção de ptose palpebral, entre outros. “O mutirão de cirurgias terá continuidade até dezembro/2017, e será feita avaliação da necessidade de continuação”, ressalta Marilene.

Todos esses mutirões vêm possibilitando a normalização das demandas do município, como em relação ao procedimento de mapeamento de retina, que atualmente não possui fila de espera. Em janeiro de 2017, a fila de espera para esse exame era de 745 usuários. E para além dessas pessoas que já aguardavam, de janeiro a setembro de 2017 houve mais 2.480 solicitações para mapeamento de retina. “No mesmo período, conseguimos fazer 3087 mapeamentos de retina. Atualmente não temos fila de espera para este procedimento”, explica Marilene.

João Jacinto de Souza foi uma das pessoas que fizeram o mapeamento de retina. Ele conta que passa por um controle de glaucoma há cerca de nove anos e que fez o exame no mês de setembro. “Fui bem atendido”, diz Jacinto.

No que diz respeito a cirurgias, o mutirão também possibilitou o aumento de agendas. De janeiro a setembro de 2017, foram agendadas 1677 avaliações para cirurgias de catarata, sendo que 1335 foram marcadas a partir de julho, quando o mutirão para o procedimento teve início. Antônio Ostáquio Alves, um dos beneficiados pela iniciativa, passou por cirurgia de catarata nos dois olhos no mês de agosto. Após a operação, ele relata que apresentou melhorias significativas na capacidade de enxergar. “Eu tinha que usar até binóculo para ver quem estava chamando no portão. Agora, estou vendo até o que não deveria ver: o fogão sujo, por exemplo”, exemplifica, com ironia.

Já Maura Aparecida Bispo acabou de passar pela cirurgia de retirada de pele de pálpebra, para enxergar melhor. Ela conta que aguardou por quase dois anos pelo procedimento. “Na área da saúde, as especialidades são muito demoradas. Estou aguardando por uma consulta com um otorrino há quase um ano”, critica ela. Maura diz que também passou pelo mutirão de tomografias, que entre julho e setembro fez 900 exames e acabou com essa demanda reprimida no município. “Mas na primeira tomografia que fiz, após esperar por um ano e meio, tive que pagar o exame do meu bolso, porque estava demorando muito. E agora, com o exame em mãos, estou aguardando pelo retorno com o neurologista”, analisa Maura.

Marcações de consultas, retornos e exames passará a ser feita no Ceaps

Os apontamentos feitos por Maura Aparecido ocorrem em um contexto no qual as consultas e retornos e exames são marcados em locais diferentes: os dois primeiros são agendados nos distritos, e os exames, no Ceaps. Para otimizar a marcação de consultas, retornos e exames, a superintendência de Regulação está estruturando a convergência dessas marcações em um só local, no Ceaps. “O município está preparando essa centralização, que deve ocorrer nos próximos 30 dias”, explica Marilene Altino.

Mutirão de consultas oftalmológicas

As consultas oftalmologias também tiveram sua oferta ampliada, graças ao mutirão de consultas oftalmológicas no Centro de Consultas Especializadas (CCE) Iria Diniz que teve início em setembro. “Em média, iremos ofertar 2000 consultas oftalmológicas por mês, até que a oferta e a demanda por consulta especializada em oftalmologia seja equilibrada”, assegura Marilene.

Sandra Mara de Araújo é uma das pessoas que passou por uma consulta com oftalmologista no mês de setembro, após aguardar por mais ou menos um ano. “Na consulta, a médica constatou que preciso fazer uma cirurgia de catarata no olho direito, que está com a vista muito comprometida. Acho que o mutirão é bom, é um bem para a população. Mas, detectado um problema maior, como catarata e glaucoma, deveríamos sair de lá com um encaminhamento, a solução deveria estar agregada”, sugere Sandra.

A superintendente de Regulação pondera que é preciso fazer outros exames antes que uma cirurgia de catarata seja marcada, porque é necessário fazer outros exames diagnósticos confirmatórios, inclusive para ser verificado se o problema associado à catarata está maturado o suficiente para a operação. “É preciso fazer outros exames para confirmar se é preciso operar”, explica Marilene.