Otimismo e euforia

30 de abril de 2016

itv-logo534

Depois de nove anos, bolsa brasileira recupera máxima histórica. Decolagem está ancorada em condições objetivas que podem ajudar o país a reencontrar caminho do crescimento

A economia brasileira está retomando o veio do qual foi desvirtuada quando estouraram as denúncias baseadas na fraudulenta delação feita por Joesley Batista e sua turma. Bastou que restasse clara a inépcia das acusações para que uma onda de euforia se apresentasse.

Um dos principais indicadores do otimismo veio da B3, a bolsa de valores de São Paulo. Ontem seu principal índice atingiu a máxima histórica, batendo recorde que já durava mais de nove anos. O Ibovespa chegou a 74.319 pontos e superou os 73.516 do pico anterior, registrado em 20 de maio de 2008.

Naquela época, o Brasil vivia o entusiasmo da conquista do selo de bom pagador e do anúncio da descoberta do pré-sal. Logo em seguida a crise global derrubou a bolsa local. Depois, um furacão bem pior, a delinquência petista, fez estrago muito mais duradouro na economia brasileira – já sem o grau de investimento e naufragada no petrolão – de onde só agora ensaiamos começar a sair.

A mudança de ares atual vem desde a troca de governo, há 16 meses. Diante das enormes dificuldades legadas pelas gestões petistas, na virada do ano o otimismo inicial arrefeceu e a crise política deflagrada em maio passado tratou de golpeá-lo um pouco mais. Mas, agora, a restauração da verdade dos fatos está repondo o país nos trilhos.

Desde o azedume que marcava o país nos estertores da gestão Dilma, a bolsa brasileira teve ganho espetacular. Em janeiro do ano passado, o Ibovespa marcava a metade do seu nível atual, ou seja, a alta nestes 21 meses foi de praticamente 100%. A bolsa local já subiu 23% neste ano. É a segunda que mais se valorizou em todo o mundo desde janeiro, abaixo apenas da de Hong Kong.

Por outros dois critérios, contudo, o nível alcançado ontem pela B3 ainda está distante do recorde. Em dólar, a máxima continua sendo os cerca de 44 mil pontos de 2008, ante os atuais 24 mil – por esta medida, o Ibovespa acumula queda de 46% nestes nove anos, de acordo com a Economática. Já quando se considera a inflação, o recorde de nove anos atrás equivaleria hoje a 127 mil pontos.

A bolsa brasileira não decola descolada da realidade.

O PIB nacional registrou sua segunda alta trimestral, agora com crescimento mais espraiado e ajudado pela recuperação do consumo, depois de nove trimestres de queda. A economia brasileira clama para que a próxima onda seja a de um ciclo virtuoso de aumento de investimentos, e as demais condições para tanto estão dadas. Até lá, há enorme capacidade ociosa que permitirá que a atividade produtiva cresça sem custos adicionais.

A inflação local atual é a mais baixa em 18 anos. Em particular, os alimentos estão 2% mais baratos nos últimos 12 meses, o que alivia a situação das famílias, recupera seu poder de compra e sua renda e ajuda a impulsionar o consumo. O comprometimento com pagamento de dívidas está caindo.

Os juros brasileiros estão a caminho da mínima histórica, com previsão de que a taxa básica desça a 7,25% ao ano até dezembro. Do lado das empresas, juros mais baixos aliviam os custos e aumentam sua margem de lucro – ao mesmo tempo em que animam consumidores a ir às compras. Consequentemente, sobem os ganhos dos acionistas.

A economia mundial também está em bom momento, marcado por juros muito baixos e inflação idem na maior parte das nações desenvolvidas. O Brasil precisa estar apto a acompanhar o movimento global e dois fatores internos são cruciais para que a euforia que ora se desenha se propague em otimismo e se transforme em crescimento.

A primeira delas é a continuidade das reformas, em especial a da Previdência, e das privatizações, com concomitante ajuste das contas públicas. A segunda, a vitória nas eleições de 2018 de alguma candidatura que dê sequência à agenda que está se mostrando capaz de tirar o país do buraco. No seu leito natural, a economia brasileira tem tudo para continuar decolando.

Fonte: Carta de Formulação e Mobilização Política nº 1.655 do Instituto Teotônio Vilela (ITV)