Após um ano e meio de investigações, Polícia Federal inocenta Aécio Neves no caso Furnas

30 de abril de 2016

Aécio Neves

Investigações da PF concluem que não há elementos que incriminem senador

A Polícia Federal inocentou o senador Aécio Neves (PSDB-MG) na investigação sobre supostos desvios de recursos em Furnas. Relatório da PF divulgado, nesta quarta-feira (10/08), concluiu que não existem quaisquer provas ou indícios que confirmem as declarações dadas pelo ex-senador Delcídio Amaral e pelos delatores Fernando Moura e Alberto Yousseff sobre prática de supostas atividades ilícitas na estatal federal com o conhecimento de Aécio, à época governador de Minas Gerais.

A PF ouviu diversos depoimentos, entre eles dos principais dirigentes petistas citados pelos delatores. O ex-presidente Lula, o ex-ministro José Dirceu e o ex-secretário geral do PT, Silvio Pereira. Os três foram categóricos em afirmar à PF que jamais trataram com Aécio sobre qualquer indicação de nomes para Furnas, ou outros cargos públicos, e sobre qualquer atividade criminosa.

No relatório enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), o delegado da PF responsável pelas investigações, Álex Levi Bersan de Rezende, informa que: “o curso da investigação não atestou que Aécio realizou as condutas criminosas que lhe foram imputadas”.

O delegado detalha no documento as declarações dadas pelo ex-presidente Lula.

“Lula disse que Aécio Neves não pediu nenhum cargo em nenhum de seus mandatos; Que não acredita que Aécio Neves possa ter pedido qualquer cargo a algum de seus ministros em seus governos”, informa no relatório.

Em seu depoimento, José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil de Lula, também desmentiu as declarações dadas pelos delatores.

“Que não tem notícia de nenhuma indicação política realizada por Aécio Neves ao presidente Lula; Que Aécio Neves nunca solicitou ao declarante a condução ou permanência de qualquer pessoa a algum cargo durante o governo do PT”.

Mentira contra Aécio

José Dirceu desmentiu também a declaração dada pelo réu confesso e ex-lobista Fernando Moura de que o senador teria recebido recursos ilícitos em contratos de Furnas.

“E que também é inverídica a afirmação de Fernando sobre a conversa que manteve com Dimas Fabiano (ex-diretor de Furnas) quando este teria dito que não precisaria se preocupar, e nem ir ao Rio de Janeiro, pois 1/3 iria para o PT paulista, 1/3 para o PT Nacional e 1/3 para Aécio Neves”, informa o delegado.

Governo Lula

A Polícia Federal informa ainda que, após as diversas oitivas e reunião de provas, chegou à conclusão de que os delatores relataram episódios “por ouvir dizer” e não apresentaram qualquer outro elemento para comprovar suas declarações.

O ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira afirmou à PF que todas as indicações para cargos em Furnas foram feitas por dirigentes do PT e de partidos aliados ao governo Lula.

“Afirmou que essas indicações eram realizadas por dirigentes do Partido dos Trabalhadores e por dirigentes dos partidos que deram sustentação à eleição do presidente Lula em 2002”, afirma a PF.

Leia também: Inexistem elementos que apontem envolvimento de Aécio em Furnas. Leia nota da defesa

Fonte: Assessoria de Imprensa do senador Aécio Neves