Henrique Meirelles deixou porta aberta de negociação sobre reforma da Previdência, diz líder do PSDB

30 de abril de 2016

Henrique Meirelles e Ricardo Tripoli após a reunião: estreitando o diálogo em torno de uma proposta fundamental para o país

Henrique Meirelles e Ricardo Tripoli após a reunião: estreitando o diálogo em torno de uma proposta fundamental para o país

Durante cerca de três horas, a bancada do PSDB na Câmara dos Deputados promoveu nesta terça-feira (21/03) um amplo debate sobre a proposta de reforma da Previdência com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. “Ele deixou uma porta aberta de negociação e mostrou que o canal de diálogo não está obstruído”, disse o líder Ricardo Tripoli (SP) após o encontro.

Amplo debate

Neste ano a bancada foi pioneira no debate sobre as reformas, ao fazer no começo de fevereiro um ciclo de debates com a presença de especialistas. Além disso, há o aprofundamento do debate interno com técnicos do partido e a participação efetiva dos parlamentares do PSDB na comissão especial que analisa a proposta.

Hoje houve o debate com o ministro e até a próxima semana a bancada se reunirá com o secretário de Previdência, Marcelo Caetano, que também estava presente hoje, mas não houve tempo hábil para ele comentar as várias intervenções feitas pelos parlamentares. Ele se comprometeu a voltar para dar andamento ao debate com os tucanos.

Neste encontro, segundo o líder, haverá um pente-fino dos pontos abordados pelos deputados na conversa com o ministro e o secretário já deve trazer respostas aos parlamentares sobre os pontos divergentes apresentados pela bancada. O PSDB já havia encaminhado antecipadamente ao governo um documento com pontos polêmicos, como as regras de transição e a mudanças no Benefício de Prestação Continuada (BPC).

“A preocupação maior da bancada é com a sociedade brasileira. É ver de que maneira podemos fazer para que o país volte a crescer e gerar empregos e, ao mesmo tempo, não afete a vida das pessoas”, resumiu o líder.

Na saída da reunião, Meirelles disse que a reunião foi muito produtiva e interessante, com propostas e discussões sérias. Segundo ele, a proposta é fundamental para garantir o pagamento dos benefícios no futuro. “Não é uma vontade ou uma opinião, mas uma necessidade. Do meu ponto de vista, todos os brasileiros deveriam se aposentar aos 50 anos, mas o problema é que alguém tem que pagar, e neste caso é a população brasileira”, alegou. Ainda de acordo com Meirelles, será preciso melhorar a comunicação do governo para esclarecer melhor a população a respeito da necessidade da reforma.