Leia íntegra do discurso de posse do prefeito de Diamantina

30 de abril de 2016

Confira discurso de posse do prefeito de Diamantina, Paulo Célio de Almeida Hugo, no dia 1º de maio de 2013. Paulo Célio foi eleito com 14.706 votos, número que equivale a 63,79% dos votos válidos, em eleição extemporânea no dia 7 de abril. A posse ocorreu dia 1º de maio.

SENHORAS E SENHORES,

Este é o momento mais sublime da minha vida.

E devo isso a vocês, essencialmente a vocês!

Há poucos dias, recebia o diploma de Prefeito de Diamantina pelas mãos do Juiz Eleitoral, o que significa estar apto a tomar posse do cargo para o qual fui democraticamente eleito.

Se o diploma de médico é o de que mais me orgulho, o diploma de Prefeito de Diamantina é o que mais me dignifica.

Paradoxal ou não, essa honraria precisou ser ratificada pela expressiva maioria de vocês. Mas isso não importa. O que de fato prevalece neste momento é cumprir, e cumprir bem, os desígnios e os planos que para mim foram traçados.

E se foi preciso referida ratificação dessa missão, novamente pelo voto popular, essa confirmação veio com ainda maior robustez, de forma a traduzir o desejo do povo de diamantina a me dizer: maior responsabilidade. E disto estou plenamente consciente.

A minha trajetória política até aqui não foi, como muitos podem pensar, de sucessivas “perdas”. Ao contrário, penso eu. A cada vez que “perdia” em votos ganhava em credibilidade, pois procurava ininterruptamente manter os meus propósitos sinceros, honestos, sempre adaptados aos seus próprios tempos de procurar a melhor estratégia de desenvolvimento da nossa Diamantina. E, agora, como uma curva ascendente e crescente, chego ao seu ápice. Prefeito de Diamantina!

Responsabilidade, portanto, é a palavra que em primeiro lugar me vem à mente.

Se a mim foi confiado o destino de quatro anos de nosso município, com significativa votação, só me resta cumprir fielmente os deveres como seu Prefeito.

Não quero, entretanto, ficar adstrito tão somente aos deveres legais atinentes ao cargo. Quero ir além. Quero promover mudanças estruturais relevantes, com o objetivo de projetar nosso município para um futuro de trinta anos.

Quero valorizar nossa cultura, e para isso remeto-me ao passado, como uma luz de alerta máximo a me lembrar: você é o Prefeito da terra natal de Juscelino Kubitschek, de Chica da Silva, de Teodomiro Alves Pereira, de Joaquim Felício dos Santos, de D. João Antônio dos Santos, de Antoninho de Pádua, de Domingos José de Almeida, de Mariana Higina, de Aires da Mata Machado, de Heráclito Mourão de Miranda, de Ir. Benigna e de muitos e muitos outros vultos que projetaram Diamantina no cenário estadual, nacional e internacional.

A riqueza do nosso patrimônio humano, natural, histórico, religioso e cultural nos impele e certamente exige, não só de mim, mas de cada um de nós, o devido respeito a todo esse legado.

Quero valorizar nossa Educação, para que ela resgate o seu título de Atenas do Norte. O avanço proporcionado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e, mais recentemente, a instalação do Instituto Federal do Norte de Minas (IFNM), são elementos fundamentais para atingir essa meta. Contudo, nenhuma outra ação poderá nos levar ao píncaro da Educação e da Cultura se não investirmos de forma planejada e concreta na Educação Básica.

Vamos incluir na grade curricular dos nossos alunos a história dos nossos diversos cruzeiros fincados nos nossos becos, ruas e praças. Vamos induzir e pesquisar a origem dos nomes dos becos e ruas: Beatas, Capistrana, Quitanda, Caveiras ou Craveiras, Morro do Capeta, Cruzeiro do Cula e tantos outros mais.

Quero, e com muito vigor, valorizar a Saúde.

Não se Educa sem a Saúde.

Se avançamos muito na Saúde Hospitalar, que se tornou referência macrorregional, urge aperfeiçoar a Saúde Básica, a atuação primária. Investir, com muita vontade política, na Vigilância em Saúde, de modo a obter resultados preventivos.

Quero valorizar o Esporte. Aqui é celeiro de atletas de várias modalidades esportivas. Espelhemo-nos no campeão da corrida de São Silvestre, João da Mata Ataíde, na campeã do Grand Prix de Voleibol Feminino, Hilma Caldeira, bem como em diversos outros atletas atuais que, aparentemente ocultos, estão muito bem situados nos rankings mineiro e brasileiro, sendo merecedores, portanto, da nossa reverência.

Como não lembrar neste momento de um Anatólio Alves de Assis, de Zé Coquinho, de Zé Badogue, de Nerval, de Beijo. Como não reconhecer os inúmeros voluntários que formam escolinhas de várias modalidades esportivas, auxiliando crianças e jovens não só na sua formação física, mas, essencialmente, na sua formação de caráter.

Quero valorizar os Desenvolvimentos Social, Urbano e Rural.

Para esse fim, só obterei resultados de eficiência se implementar imediatamente um modelo moderno de gestão, com planejamento, com metas bem estabelecidas, com cumprimento de prazos, com busca de resultados factíveis, com estratégias de ação pautadas no coletivo, sedimentadas com uma política de recursos humanos eficiente, com valorização adequada e ajustada do funcionário efetivo, sendo parceiro de primeira hora dos poderes executivo, legislativo e judiciário das instâncias estadual e federal e, evidentemente, em atuação bastante harmônica e respeitosa com a nossa Câmara Municipal, porquanto nessa Casa estão os representantes do povo diamantinense.

Senhores Vereadores, concito-os a serem partícipes desse norteamento administrativo. O apoio de V.Exas. é fundamental para o sucesso dos nossos propósitos. Tenho certeza de que seremos merecedores da compreensão dos senhores, como assim também os senhores terão o tratamento cordial, respeitoso e justo por esse executivo municipal.

O Desenvolvimento, em todas as suas esferas, é, indubitavelmente, uma obsessão que possuo.

Tenho a convicção, e creio que a maioria dos diamantinenses comunga comigo desse pensamento: já perdermos muito tempo! Urge instaurar uma mudança de paradigma na Administração Pública Municipal de modo que ela possa ofertar aos seus munícipes um produto de alta qualidade, o que, obviamente, deve ser a obrigação de todo serviço público.

Se, porventura, houver algum desajuste nessa proposta, mesmo que mínimo, corrijam-nos. Volto a afirmar, como discorri por diversas vezes nas duas campanhas: não tenho compromisso com o erro. Essa mudança deve ser perseguida não só por mim, mas por todos.

Aliás, preciso de todos vocês. Não posso prescindir de absolutamente ninguém. Todos com os seus potenciais, talentos e conhecimentos são fundamentais para o desenvolvimento de Diamantina.

Dizíamos nas nossas campanhas que “a mudança se faz com todas as forças”. A força de cada um, o talento de cada um, a ideia, a inteligência, o projeto, a boa vontade. Tudo isso somado em prol da cidade proporcionará como resultante uma Diamantina melhor. Faremos dela a melhor cidade histórica de Minas para se viver!

Com essa metodologia administrativa, o desenvolvimento tão esperado por todos nós chegará a passos largos, ocasionando benefícios para todos.

Vocês depositaram e confiaram o seu voto na minha pessoa, e embutiram nele as suas esperanças, as suas expectativas, os seus anseios.

Como administrador público, envidarei os meus esforços, usarei toda a minha energia e inteligência, talvez até mesmo abuse das minhas condições físicas para apresentar à população o que será traduzido em avanços múltiplos, sempre voltados para o coletivo.

Minha série histórica na política se iniciou com o Prefeito Antônio de Carvalho Cruz, passando pelo prefeito João Antunes de Oliveira, posteriormente como Vice-Prefeito de Iraval Pires e, nesta oportunidade, tornando-me Prefeito de Diamantina.

Nessa caminhada fiz muito mais amigos que inimigos e, na verdade, se estes eu os tenho, procuro não saber. Tive adversários, não inimigos; e tenho a grata satisfação de tê-los hoje como amigos.

Dentre muitos, quero dedicar essa jornada política a três especiais amigos, porque não dizer irmãos, que sempre me incentivaram, acreditaram em mim e desejavam ver com seus próprios olhos este momento da minha vida. Dedico, portanto, essa caminhada, ao ex-Prefeito Iraval Pires, ao Waltinho Souza e ao amigo Lucas Barros.

Aos seus familiares, o meu profundo respeito e a certeza da minha eterna amizade.

A história de Diamantina contada em seus livros e em seus anais é recheada e está repleta de exemplos extraordinários em que a união de diamantinenses, quando de forma sólida e não individualista, fez produzir entidades e associações que se tornaram seculares.

União Operária, Pérpetuo Socorro, Santa Casa, Lojas Maçônicas, Associação Comercial e Industrial de Diamantina, Club Acayaca, entre outras.

União é a palavra de ordem!

Perseguimos isso em 2012 com afinco e, particularmente, eu e Gustavo Botelho revelamos para a nossa comunidade e para Minas Gerais que aqueles que têm um ideal comum e que visam o melhor para os seus municípios são capazes de romper barreiras, superar adversidades e edificar as bases para uma construção sólida de um futuro melhor.

Nós dois realizamos, talvez, o maior e o mais significativo gesto político em Diamantina dos tempos contemporâneos com um único objetivo: lutarmos juntos por uma Diamantina melhor.

A você, Gustavo, o meu respeito e admiração.

Caro Vice-Prefeito Cássio Antônio Moreira, amigo Cássio.

Já o admirava pelas suas qualidades pessoais e pelos seus trabalhos na Câmara Municipal na legislatura passada.

Passei a admirá-lo ainda mais, pois, apesar do curto período desta eleição suplementar, foi muito fácil identificar em V.Exa. características que só em pessoas de bem se reconhecem: a gentileza, a humildade, os princípios rígidos da lealdade, a garra e a disposição para o trabalho.

Digo que sou um Prefeito privilegiado tendo V.Exa. como Vice.

Tenha em mim um admirador, um parceiro, um amigo.

Seus conselhos, sua experiência parlamentar e a sua vivência pessoal serão fundamentais para me auxiliar nas futuras decisões que teremos que tomar.

O meu abraço afetuoso para V.Exa. e família.

A admissão ao meio político arrasta, inevitavelmente, a inserção da família em todos os seus níveis. Isso, creio eu, é sempre uma preocupação, chegando mesmo a ser, em alguns momentos, um amargor em nossos corações.

Expus a minha família, como qualquer outro político, e a coloquei sob riscos diversos, causando-lhes sofrimentos múltiplos.

Perdoem-me todos os meus familiares, em especial Cristina, Filipe e Liliane, Thiago e Luciana, Camila, Caio e Maria, pelas vezes, e que não foram poucas, em que as injúrias, as calúnias e as maledicências foram produzidas, atingindo-os injustamente. Sei que vocês partilham do meu ideal que, de certa forma, os contagiou: lutar por Diamantina.

Digo, agora em público, que disputei a eleição de 2013 após acatar as várias argumentações que me expuseram. Assim, Cristina, filhos, noras, genro e Maria, esta vitória pertence também a vocês.

Perdoem-me, da mesma forma, minha mãe, meus irmãos e irmãs, cunhadas, sobrinhos e sobrinhas, tias e tios, primos, todos os familiares, enfim, porque sofreram junto comigo dia a dia nesta e em outras disputas políticas. Sei que vocês comungam deste meu ideal de ver e ter uma Diamantina melhor.

Ao meu amado pai que, infelizmente, nos deixou há quase um mês, dedico-lhe não só esta conquista.

Você, meu pai, que em todas as campanhas me incentivava com determinação para que perseguisse o meu ideal, a você, dedico-lhe os prováveis frutos que irei obter nesta administração.

Em cada obra, benfeitoria, melhoramento, por menor que seja, ou mesmo um ato administrativo, do mais simples ao mais complexo, estarei a lembrar do legado moral, ético, probo, cultural, religioso, da transparência, e, sobretudo, o legado de seus dois amores eternos: sua família e sua Diamantina.

A você, meu pai, dedico a administração 2013-2016.

Venho da área médica.  Trago a roupa branca de médico, o branco da transparência, o branco da pureza d´alma, o branco da sinceridade de propósitos. Trago o estetoscópio para melhor auscultar os anseios desse povo diamantinense. Trago o aparelho de pressão para medir as necessidades mais urgentes e trago ainda o termômetro para conhecer com precisão a febre de um evento de maior grandeza. Trago ainda o bloco de receita, limpo, apenas com a inscrição da data 2013-2016 em seu rodapé, para nele usar a caneta do bom senso, escrever o remédio adequado para aliviar e, se possível, curar os males que impedem o nosso desenvolvimento.

Neste 1º de maio, saúdo a todos os trabalhadores da nossa cidade, e, em especial, os funcionários públicos municipais.

A todos vocês que me entusiasmam, que me impulsionam, que me aplaudem, o meu muito obrigado!

 

 

Paulo Célio de Almeida Hugo

1º de maio de 2013.